A crise, o medo, e o futuro do trabalho

LNE–¿Qué opina de los robots?

Raquel Varela –Como toda maquinaria, si sustituyen trabajos que implican mucho esfuerzo o repetición son bienvenidos. Pero son bienvenidos para qué: ¿Para reducir o aumentar el trabajo de toda la gente? ¿Para mandar a unos al paro y que otros tengan que trabajar más? Con la tecnología tenemos que hacernos la pregunta de para quién se produce y a beneficio de quién. No es tanto la tecnología en sí, sino las relaciones sociales en torno a la tecnología. Nunca se ha hablado tanto de robots como hasta ahora y resulta que vemos las calles llenas de hombres transportando comida para llevar a sus espaldas como si fuesen animales. Por tanto, la tecnología no se introduce en beneficio de la mayoría; la intención es aumentar el paro y al mismo tiempo utilizar los músculos de la gente. Otra cosa que pasa mucho en Europa es el aumento de los turnos de noche. Los médicos y enfermeros necesitamos que trabajen por la noche. Pero, ¿por qué la gente está fabricando coches a las cinco de la mañana? ¿Hay alguna necesidad de eso? Tenemos que pensar en una sociedad más equilibrada.

–¿Por qué Portugal ha afrontado la crisis sanitaria mejor que España?

–Nosotros no sabemos si Portugal afrontó mejor la crisis, porque hay una mortalidad altísima sin explicar. Se habla de 5.000 o 6.000 personas fallecidas que no tienen causas, que incluso pudieron morir por el covid. Y eso no nos coloca en la mejor posición. Yo creo que, por ahora, es una duda estadística más que una certeza política. La forma de contabilizar los enfermos y los muertos es muy diferente de un país a otro. Aunque Portugal sigue teniendo, después de la revolución de los claveles, un sistema de salud robusto, que vive mucho de la dedicación de los profesionales.–¿Se respira miedo en las calles?–Me parece obvio que hay una gestión del miedo por parte del poder político en todo el mundo. Estamos ante una gestión irracional de Trump y Bolsonaro y una gestión del miedo por parte de los otros gobiernos. Me parece que la gestión de la pandemia se debería hacer en base a un cambio radical de los sistemas de salud, y menos en base al miedo. Porque el miedo acaba por no funcionar o por tener contraindicaciones gravísimas. La gente habla de distanciamiento social. El distanciamiento social es lo peor que puede acontecer al mundo; el mundo vive de muros, de xenofobia, de nacionalismos, de diferencias de clases sociales, de diferencias de barrios… Necesitamos de mucha proximidad social. En todo caso, necesitamos distanciamiento físico mientras que no cambien los sistemas de salud. Pero esta gestión del distanciamiento físico no puede ser eterna. La gente necesita tocarse, amar, abrazar… Hay personas mayores que no pudieron ver a sus hijos antes de morir. A mí me parece que estas soluciones fueron muy precipitadas. Y la alternativa no es ser Trump, que es un loco en el mundo, pero tenemos que pensar otras alternativas que respeten al humano por encima de la biología. El humano es mucho más: es su pensamiento, sus emociones, sus relaciones. No somos animales.

–Entonces, ¿no debería haber distanciamiento en estos momentos?

–Debería existir el distanciamiento físico por un corto espacio de tiempo, porque necesitamos proximidad. Pero eso nunca se debería llamar distanciamiento social; todos nosotros escribimos y pensamos obras contra el distanciamiento social. ¿Cómo ahora se torna en un eslogan mundial? Es incomprensible.

–¿Cuáles son las claves del milagro económico de Portugal?

–No creo que Portugal haya evolucionado mucho económicamente. Lo que pasa es que el salario mínimo se extendió a casi un millón de personas y antes llegaba a 250.000. Los salarios de Portugal son una especie de China en Europa. Están cayendo a pique y la gente para vivir tiene que trabajar dos veces o tener dos trabajos. El aumento de la productividad es, por tanto, relativa y está basada en los bajos salarios. Es un milagro un poco chino, un milagro hecho con el esfuerzo de la gente y a medio plazo eso va a significar una quiebra de la productividad, porque no hay productividad con bajos sueldos en ningún lugar del mundo

.2ª parte da entrevista ao jornal La Nueva Espãna

RAQUEL VARELA, HISTORIADORA, PREMIADA POR LA ASOCIACION IBEROAMERICANA DE LA COMUNICACION.

“O Presidente vai Nu”

Marcelo apareceu em tronco nu a tomar a vacina da gripe. O omnipresente Presidente, que quando tudo falha aparece num segundo, no norte e no sul ao mesmo tempo, na cave e no sétimo andar em simultâneo, como se por um acto de magia a sua presença substituísse todos os profissionais que não estavam em Borba, em Pedrogão, agora no SNS, apareceu ontem, frágil, despido – assim, próximo do seu povo, sem nada entre ele e o povo. Mais uma vez ele estava lá quando tudo falhava. Ontem milhares de portugueses idosos e de risco não conseguiram tomar a vacina da gripe, e as farmácias recebem no máximo 15 doses por dia. A lista de espera chegam aos milhares em muitas farmácias. Marcelo fez as contas…não é como Guterres. Lá para Dezembro todos terão vacina – disse. Tive que ir escutar de novo. Sim, lá para Dezembro. Em tronco nu.
Faltam médicos? Ele aparece; professores? Ele dá uma aula na TV; Enfermeiros, ele surge de imediato; faltam vacinas? Ele toma, por todos nós, para todos nós – em tronco nu. Não creio que um Presidente assim se invente de um dia para o outro – são precisos, tudo indica, 20 anos de formação mediática qualificada; e uma oposição catatónica, que desistiu da política enquanto defesa da coisa publica, democracia efectiva de todos, e da crítica como necessidade imperativa, em qualquer regime ou governo. Mas há mais. Há uma falta de esperança que grassa entre a larga maioria dos portugueses – só o desespero e a descrença no mundo levam tantos portugueses que precisam e não tomarão a vacina a ficar felizes porque o Presidente da República a tomou, por eles.
Tenho muita confiança na transformação das sociedades, e na capacidade das pessoas serem melhores do que as instituições – a situação terá que mudar. A história é como a terra, move-se. Mas recordaremos estes tempos, isso é inevitável, como anos bizarros, em que politicamente a maioria da população esteve ausente da vida política de forma adulta e responsável, e aceitou, infantilmente, o que não é tolerável aceitar

StayawayCosta

Um Primeiro-Ministro que conseguiu no meio da pandemia perder ainda mais médicos e profissionais de saúde para o sector privado, profissionais que não foram aumentados 1 euro nesta pandemia, e agora quer colocar a polícia a verificar os nossos telemóveis – em circunstâncias normais de funcionamento da democracia e se o PR fosse de um partido de direita o país já tinha – e bem – exigido a sua demissão pela incompetência em dotar o SNS para a segunda vaga, pelo atentado flagrante à Constituição e pela manipulação descarada da opinião pública, baseada da irracionalidade, convencendo que uma aplicação teria qualquer efeito no combate ao Covid-19 – é tudo mau de mais para ser verdade. Mas Portugal vive uma época histórica única – não há oposição, de esquerda, de direita, de centro. É deprimente. Junto-me às várias vozes que não aceitam esta medida – figuras públicas e milhares de anónimos, o Presidente do Conselho Nacional de Saúde Pública, centenas de médicos sérios, juristas, cientistas. Todos contra.Há limites ao autoritarismo. Há linhas vermelhas que exigem de nós posições inequívocas contra o populismo e a manipulação política da ignorância. O que nos pode proteger numa pandemia é cuidar de quem cuida da nossa saúde, dos profissionais de saúde a quem não foi oferecido nada nestes tempos – nada, zero. Tudo o resto é um atentado à nossa inteligência e aos nossos direitos fundamentais.

Autoritário

Henrique de Barros, presidente do Conselho Nacional de Saúde: “São medidas altamente autoritárias. Isto é um sinal evidente de uma imensa desorientação, não é política baseada na evidência, é política para tentar criar evidência. Isto indigna-me não só pelo lado autoritário mas também pela estupidez, porque a história ensina-nos que nunca se consegue combater com eficácia uma crise sanitária com medidas repressivas”.Jornal Público, 15-10-2020

“Worlds of Labour Turned Upside Down. Revolutions and Labour Relations in Global Historical Perspective”

Saiu o nosso livro “Worlds of Labour Turned Upside Down. Revolutions and Labour Relations in Global Historical Perspective” . Está em acesso livre aquihttps://brill.com/view/title/57285 A minha contribuição, escrita com o João Carlos Louçã, é sobre a importância central do trabalho forçado para a acumulação capitalista no Portugal contemporâneo.

Prémio IberoAmericano

Um dia muito feliz. Fui galardoada com o prémio da Associação IberoAmericana de Comunicação, pelos meus estudos de história global do trabalho e a sua contribuição para os laços ibero americanos e história da Europa. Irei recebe-lo esta segunda feira, na Universidade de Oviedo, capital de um lugar mítico de história, terra de mineiros e revoluções – as Astúrias. Ao lado dos outros premiados, entre eles o músico Silvio Rodríguez, o ex selecionar do Real Madrid, Vicente del Bosque, o matemático Raul Rojas.


El ex seleccionador nacional de fútbol Vicente del Bosque será uno de los seis galardonados el próximo martes día 6 por la Asociación Iberoamericana de la Comunicación (Asicom), que premia desde hace once años la contribución de profesionales de distintos ámbitos por “acercar” las dos orillas del charco: la americana y la española. Junto al ex jugador y ex entrenador del Real Madrid serán distinguidos también la historiadora portuguesa Raquel Varela, el matemático mexicano Raúl Rojas, el cantautor cubano Silvio Rodríguez, el periodista deportivo Juan Ignacio Gallardo y la Fundación de Microfinanzas BBVA.


Los Premios Iberoamericanos, que organiza Asicom en colaboración con la Universidad de Oviedo y otras entidades iberoamericanas, tienen como objetivo reconocer “la labor de profesionales, académicos e instituciones que han destacado en diferentes disciplinas dentro del contexto iberoamericano y que han contribuido a construir y afianzar la cultura y tradiciones de la región”. Entre la larga lista de galardonados figura LA NUEVA ESPAÑA, que fue distinguida en 2018. En esta ocasión son seis los premiados, todos ellos con unas trayectorias brillantes. Por ejemplo, Raúl Rojas es uno de los científicos mexicanos más conocidos a nivel mundial en el campo de la computación y la mecatrónica. Y Raquel Varela es una investigadora portuguesa a punto de sacar un libro sobre la historia de Europa desde la Primera Guerra Mundial hasta la actualidad.

“Essa pergunta é terrível”

Uma entrevista absolutamente maravilhosa, com a psicanalista Maria Rita Kehl, de quem sou leitora dedicada.

E: Como ficam os afetos numa época em que beijar e abraçar pessoas queridas, ou mesmo se aproximar delas, pode ser perigoso?

MRK: Não tenho certeza, mas me parece que os afetos, tanto os de amor, solidariedade e compaixão, quanto os de ódio e desejos de discriminação se intensificam. O problema é que eles se propagam só através das palavras, sem o anteparo do corpo. O corpo do outro, e o nosso também, fornece certo limite aos nossos impulsos.
Você se orienta pelo olhar do outro, pela postura, até pela respiração do outro para saber que tipo de aproximação é possível. E até onde levar uma discussão sem se arriscar a levar uma porrada… Ou se um gesto carinhoso cabe em determinada circunstância ou não. Mesmo antes dessa pandemia, quem nunca teve vontade de puxar de volta pela cauda uma mensagem que, imediatamente depois de enviar, você percebe que não será bem recebida?

E: Um de seus livros, previsto para ser relançado neste ano, é “Ressentimento”. Qual é o poder destrutivo que esse sentimento tem para quem está convivendo 24 horas com outros em casa?

MRK: Bom, para quem não leu esse livro, vou explicar rapidamente o que é o ressentimento, baseada em Nietzsche e também em Freud. É um afeto bem ambivalente, causado com frequência pelo fato de você ter recuado de uma situação difícil, ter fugido de um confronto ou de uma disputa, por medo de perder. O futuro ressentido há de fazer isso parecer um gesto de elegância, de superioridade moral. Mas ele sabe que foi covardia. Ou preguiça diante de um enfrentamento difícil.

Ele sabe que quis ganhar o jogo sem jogar o jogo. Como isso não é possível, não se conforma por ter perdido. “Eu sofro: alguém deve ser culpado disso.” Com esta frase, Nietzsche sintetiza o estado de espírito do ressentido.
Não creio que o convívio forçado produza necessariamente ressentimento, embora possa produzir outros tipos de “paixões tristes”, na expressão de Spinoza: mau humor, disputas por razões insignificantes, exacerbação de rivalidades preexistentes etc. Mas, claro, se houver ressentimentos reprimidos dentro de uma família, o convívio forçado pode criar uma boa ocasião para que ele se manifeste.

E: Por causa do risco de contágio, é muito difícil ir a velórios e enterros. Qual é o peso que a impossibilidade da despedida pode ter na superação do luto?

MRK: Essa pergunta é terrível, porque me parece que todos nos recusamos a conceber que isso possa acontecer com alguma de nossas pessoas queridas. A morte é um evento incompreensível para nós, “seres de linguagem”, como diz Lacan. Um animal, quando se sente perto da morte, se enfia em algum canto escondido e se deixa morrer. Nós, não.
A morte para nós, antes de ser uma sensação física do corpo perdendo todas as suas capacidades vitais, é uma espécie de assombração. Alguém já disse que, se vivêssemos todos os dias com a plena consciência de nossa condição mortal, a vida seria insuportável. Uma vez uma menininha que estava no velório do avô, depois de olhar longamente o corpo no caixão, perguntou ao pai: “Como ele sabe que ele está morto?”.
A pergunta é genial, revela toda a ambivalência de nossa consciência da morte: para que fulano morra completamente, deve haver algum espírito vivo dentro dele que lhe informe que a morte aconteceu. Precisamos de todas as cerimônias fúnebres para acreditar que uma pessoa realmente não existe mais naquele corpo que vamos enterrar.

Por isso, é infindável o luto das mães dos desaparecidos políticos. Como talvez seja infindável o luto das pessoas que viram um familiar ou um amigo ser levado ao hospital e depois… depois nada. A pessoa desapareceu porque seu corpo não pode ser velado. As mães de Mayo, na Argentina, assim como as mães dos desaparecidos políticos na ditadura, nunca se autorizam a parar de procurar. Assim como a mãe do Amarildo [pedreiro morto pela polícia na favela da Rocinha, no Rio, em 2013, e cujo corpo não foi encontrado].

E: Você é autora de “O tempo e o cão – A atualidade das depressões”. Como as pessoas propensas à depressão podem reduzir a angústia estando confinadas?

MRK: Bom, quando escrevi esse livro não tinha a mais remota ideia do que viria a ser esse nosso confinamento compulsório de hoje. Mas posso imaginar que o depressivo fique mais à vontade no confinamento do que um obsessivo, por exemplo. Finalmente ele se tornou “normal”. Sua apatia, sua vontade de ficar na cama, de não sair do quarto, de não ver ninguém, encontram uma justificativa perfeita. E finalmente ele tem a companhia de uma enorme parcela da humanidade.

E: Como você avalia a eficácia dos atendimentos por telefone que está fazendo?

MRK: Sabe que eles me parecem muito bons? Na verdade, a essência da psicanálise se preserva nesses atendimentos: o que vale é a fala em associação livre. Percebo que algumas pessoas ficam até mais à vontade por não estarem diretamente na minha presença.
Por outro lado, nunca falei tantos “hã-hã” quanto agora, para assegurar que estou escutando. Numa sala física, mesmo no divã, a pessoa não terá medo de a analista ter ido embora. Só teme que ela não esteja prestando atenção.
Ao telefone, às vezes me perguntam: “você está aí?”. E eu: “hã-hã”. Mas, como sou muito irrequieta, posso sair da cadeira, botar uma água para o café, jogar algo no lixo, essas pequenas atividades domésticas que não exigem atenção, enquanto escuto. Isso não impede a escuta, no meu caso. Até me ajuda a ser mais paciente.

E: Você acredita que a humanidade vá melhorar depois da pandemia?

MRK: Muita gente tem manifestado essa esperança, mas não vejo por quê. A impressão que tenho é que estamos todos loucos pra voltar às rotininhas de antes. Ficarei muito feliz se perceber que, passado o surto, não vamos deixar cair as iniciativas e os gestos solidários que temos feito em direção a quem precisa nessa pandemia, Tenho esperança de que a solidariedade não vá embora junto com o vírus. Mas não há nada que garanta isso.

O 25 de Abril começou em África

Ontem lançámos pela primeira vez em Portugal a tradução daquele que é para mim o melhor texto de história para entender o Portugal contemporâneo, o “Portugal e o Fim do Ultracolonialismo” do marxista britânico Perry Anderson, ainda vivo, com mais de 80 anos, e ainda com algumas das melhores análises sobre o que se passa neste mundo – ninguém quanto a mim compreendeu tão bem o Brasil de Bolsonaro ou a crise grega e a UE como Anderson. Este livro é obra de um esforço conjunto de vários investigadores do nosso Grupo de Estudos Globais do Trabalho da FCSH-UNL. Lá encontram outros textos, mas queria ainda destacar, também pela primeira vez, a tradução de parte do livro sobre Setúbal na Revolução dos Cravos, pelo Peter Robinson. A edição é da Humus Editora, o livro vhama-se O 25 de Abril começou em África.

“Estamos Avariados”

Quando há 30 anos, num país com menos capacidade de produção e conhecimento, estudei na escola pública fiz, com a escola, dezenas de visitas de estudo. Tiveram um grande papel no meu gosto pela escola. Era um dia de brincadeira, conversa alegre, cantorias ao motorista e muitos “Adeus” aparvalhados aos automobilistas que nos seguiam. Era também, para mim, um dia de comida má de pleno direito – rissois e batatas fritas. Para os adolescentes era o espaço de namoro, conhecer a turma, fazer amigos, fazer asneiras e erros, construir relações de confiança. Eram espaços onde aprendemos a gostar cada vez mais dos professores, que, fora da sala, olhávamos agora de outra forma. Conheci o país com os meus colegas, saídos da Linha do Estoril, no tempo em que ainda havia na nossa turma quem habitasse, lado a lado, em vivendas com piscina e bairros de barracas. Fomos todos juntos visitar os Templários de Tomar, Mosteiro de Alcobaça, Palácio Nacional da Ajuda, Sintra, Batalha, Conimbriga, Santuário de Fátima! (e eu não tinha Religião e Moral), Almourol…muitos outros lugares “clássicos”. A ideia era levar-nos a todo o lado, para conhecermos o país onde vivemos.

Acompanhei estes últimos 20 anos a escola pública de vários adolescentes da família, que, até ao 12º ano, nunca tinham ido a um único lugar com a escola. Um. Quanto muito vai um teatro – e é pedido aos pais que paguem – à escola. Para colmatar este grau de exclusão tenho eu assumido as vezes da escola e levo-os a vários passeios. Não faço contas ao que significa fazer turismo com a família cá dentro, porque à partida 80% da população está excluída. Mas contas simples, de ir ali, aos monumentos ao lado de casa.

O último foi ao Jardim Tropical – a cair aos pedaços e metade fechado “em manutenção”, cobram 4 euros por pessoa à entrada; liguei para a Torre de Belém e Jerónimos, não há visita guiada, nada preparado, cuidado, e a livre paga-se, com desconto apenas para estudantes. Idém para o Museu de História Natural, paga-se. Penso que no périplo o único gratuito foi o do Aljube. Ainda este verão fomos ao Palácio de Sintra e a coisa ficou com almoço normal perto de 1/5 do salário mínimo nacional, sendo que de facto o acesso aos jardins foi privatizado. Hoje liguei para o Planetário e a resposta foi, cito ipsis verbis, “estamos avariados, sem previsão de abertura”. Pensei, não foi um lapso – estamos avariados.
Deixo um desafio – um estudo nacional sobre acesso à cultura dos alunos deste país. Quantos deles alguma vez visitaram as principais cidades, museus e monumentos. E depois façamos conjuntamente uma reflexão sobre o que isto significa em termos de expropriação do direito à cultura e do aumento substancial das desigualdades.

Caso de estudo

O que falta explicar é porque há um aumento grande de casos e uma diminuição substancial de doentes e de doentes graves. A rigor é preciso ler quase no fim dos artigos que num lar onde há “80 infectados!!!”, todos doentes de risco, na sua maioria com 90 anos, lê-se que são 80 positivos, dos quais 70 assintomáticos, e 2 estáveis. Ou num surto numa escola há “70 alunos em casa!” – 1 tem sintomas ligeiros, 69 estão sem sintomas. Há qualquer coisa que não bate certo.
Sempre fui a favor de cuidado, na dúvida. Não pertenço ao grupo dos negacionistas nem dos conspirativistas. Proteger os mais frágeis é urgente (que continuam sem ser protegidos). Mas a forma de dar estes números é já um estudo de caso do jornalismo. Nada disto faz sentido, está criado um clima de susto e pavor que obstaculiza uma reflexão de um problema complexo.