Pela Memória de Guernika

Deixem-me dizer o óbvio. O Público comparou a resistência ucraniana à guerra civil espanhola. E Mariupol à Guernika. É o delírio completo. Mais grave – é um ataque à memória dos combatentes anti-nazis. O general da NATO Raul Cunha deu uma entrevista ao jornal 74 onde diz que o que se passa em Mariupol na sua opinião é que as tropas do batalhão neonazi Azov se concentraram aí e usam os civis como escudos humanos, porque, cito, sabem que serão dizimados sem os civis. São milícias, que o Estado russo avisou que seriam mortos e não sujeitos à lei da guerra – a estas milícias fascistas na Ucrânia foi juntar-se o líder neonazi português, o que um tribunal português considerou missão “humanitária”. Os civis dessa cidade eram na sua maioria populações pró russas (há dez anos o candidato pró russo teve aí 90% de votos). São estes civis, que segundo um general da NATO, não podem sair porque as milícias “humanitárias” (tratadas como resistência heroica nos media que gritam contra a “desinformação”) não deixam. A única informação que chega é da parte de uma milícia, não há lá jornalistas neste momento, muito menos informação com qualquer contraditório, há uma guerra de propaganda de ambas as partes. E o que está um general da NATO a dizer? Que a “resistência” neonazi está a usar civis, escolas, maternidades como escudos humanos. Isto é tão grave, que devia no mínimo exigir a um jornal cuidado, decoro e muitas dúvidas nas palavras. Dizer pelo menos não sei, há duas versões, não há informação sólida. Eu não sei o que se passa em Mariupol. Sei o que está publicado e confirmado por todas as partes: quem está lá é o Batalhão Azov, confirmam todas as partes, sublinho, o Batalhão Azov são neonazis, assumidos e orgulhosos. Ora, em Guernika foram os nazis que mataram a população.

Não tenho dúvidas sobre o facto de que todos os envolvidos numa guerra cometem atrocidades – por isso sou contra a militarização. Sou contra esta guerra e contra esta invasão. Agora chamar Guernika, dizimada pelos nazis, a um batalhão que pode estar a fazer dos seus civis reféns e escudos humanos é ignominioso.

4 thoughts on “Pela Memória de Guernika

  1. (…)”As actuais sanções económicas à Rússia são, da facto, um acto de guerra contra todos os povos: o russo, o ucraniano, o português e todos os outros que vão sofrer nas suas vidas as consequências. O governo Costa ao subscrevê-las com entusiasmo mostra quão fantoche é nas mãos da canalha imperialista e quanto despreza quem diz representar”….

  2. Como se depreende do texto da Raquel e dos media mainstream, há um vácuo, um tabu sobre o tristemente célebre batalhão Azof e suas lamentáveis proezas que a narrativa ocidental pró- NATO insiste em ocultar. Porque será??

  3. Há alguma fonte ucraniana (civis ucranianos) que confirme que a alegação de que as milícias neo-nazis têm os civis reféns em Mariupol e são responsáveis por estes não poderem sair da cidade usando corredores humanitários? Caso essas alegações se confirmassem, em que medida minimizariam ou desculpariam os bombardeamentos que o exército russo está a efectuar com bombas de fragmentação (cujo uso constitui um crime de guerra) e a destruição de Mariupol?

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s