O fantasma de Salazar e o Reitor da Universidade de Coimbra

O Reitor da Universidade de Coimbra não decidiu excluir a carne de vaca. Decidiu que quem tem menos dinheiro vai deixar de comer carne de vaca. As cantinas são os locais onde os filhos das classes pobres e médias empobrecidas comem. Quem tem dinheiro vai continuar a comer carne, do lombo. Os filhos de quem pode, como os meus, irão comer carne do lombo, de qualidade, bio. No norte da Europa já se serve carne bio em algumas universidades por onde ando. Em Portugal acaba-se com a carne. A periferia não é verde, é inexistente. Na verdade a medida do reitor é análoga à generalização dos parquímetros, uma privatização do espaço público. Quem tem dinheiro continua a ter acesso à cidade por carro. Estas medidas não são ecológicas, são classistas. Ecologia era transportes públicos das zonas pobres para o centro. Ecologia era subsidiar na Escola Agrária de Coimbra produção de agricultura biológica e fornecer nas cantinas para que pelo menos algumas vezes pudessem comer proteína de qualidade. Ecologia era um Reitor defender a agricultura sustentável ser cada vez mais subsidiada. Assim o reitor o que fez foi reduzir a despesa da Universidade de Coimbra que agora vai oferecer frango de aviário, um mutante que nem frango devia chamar-se. Também vai ficar bem nas contas gerais da Universidade servir na cantina (paga com os nossos impostos) soja geneticamente modificada – é a transição energética.

A “transição” está a relevar-se uma forma de privar ainda mais os mais pobres de tudo, irão pagar mais impostos verdes, estão privados da cidade “verde”, num subúrbio cinzento, vestem fibras horrorosas enquanto fabricam algodão natural de design inovador em fábricas super poluentes, e agora podem esperar esta moderna versão Jonet de “não de pode comer bifes todos os dias”. Tudo para o bem deles, como se sabe se os ricos não cuidassem dos pobres eles jamais saberiam o que fazer. Agora por exemplo, imagine-se!, querem comer bifes que fazem tão mal à saude e ao planeta…

Vou poupar-vos ao óbvio. A poluição é grave mas o mundo não está a acabar. É preciso medidas sérias, e não hipocrisia disfarçada de ciência. Comer carne em idades jovens, quando se estuda, é essencial ao cérebro. Nos colégios onde se formam elites dirigentes do mundo posso garantir-vos que a carne é biológica e do lombo. Comer muita carne faz mal, não comer nenhuma faz muito mal. Outro dado: um dos maiores estudos de saúde do mundo provou que a segurança no emprego e a autonomia podem aumentar 18 anos a esperança média de vida e o medo fazer cair a mesma 18 anos, pela produção de cortisol. Nada faz tão mal à espécie humana hoje como o medo da sobrevivência, condição em que vão estar a grande maioria dos jovens estudantes da Universidade de Coimbra quando entrarem no mercado de trabalho. Coisa que não preocupa o reitor. O fim do planeta para o Reitor é uma garantia, é o dilúvio bíblico que exige medidas radicais. Já o facto de que os que estudam na Universidade virem a ter empregos em que não chegam ao fim do mês, bom isso já não é bem uma certeza, nem diz respeito a um Reitor, que cuida do Planeta.

Que o PAN, que representa o ultra liberalismo verde, seja a favor comprende-se. O silêncio dos outros partidos, com algo tão fundamental quanto o que se serve de alimentação numa instituição pública, por nós financiada, é inexplicável.

Para compreender o mundo, e a atitude de um Reitor, é preciso saber teoria do valor. E o valor da teoria. Marx explicava que a tendência do capitalismo era para tornar vegetarianas as classes trabalhadoras, desde logo diminuindo a parcela de proteína a que têm acesso na reprodução da força de trabalho, vulgo salário. Os chineses perceberam bem isso – ali, nas fábricas, come-se arroz. E mais nada. Ainda vou assistir à glorificação do Estado Novo em plena Universidade de Coimbra, o fantasma do Salazar a rondar as salas escuras, de ilusão esverdeada – carne faz mal, melhor só no Natal.

59 thoughts on “O fantasma de Salazar e o Reitor da Universidade de Coimbra

  1. Oh! Raquel Varela… Sinceramente!!!… Que tiro no pé… Que lamentável… E eu que gostava tanto de a escutar e ler… E pronto lá estalou o verniz. Que pena que a senhora demonstre ser na verdade uma classista, burguesa e provida de uma total insensibilidade ecológica não veja o quadro maior para lá do seu burgo. Não se trata de carninha boa, cara que os seus filhos à conta das baboseira que vai dizendo comem, trata-se sim de consciência, de ver o mundo como um todo. Ficou complicado? Então explico-lhe melhor, Reduzir a pegada ecológica, reduzir os níveis de carbono e o consumo de água… Quer que explique ainda melhor? Para 1 Klg de carne são gastos mais de 10.000 litros de água. A quantidade de gás metano emitido pela pecuária são a grande causa de aquecimento global. Será que mais ou menos agora consegue chegar lá?!?
    Bem dito seja o SENHOR REITOR da Universidade de Coimbra.
    Um enorme bem-haja a este SENHOR, visionário, consciente e vanguardista… Já a Senhora, ainda tenho esperança em si… Aconselho a que veja alguns documentários sérios sobre a temática como o What a Helth, Forks Over Knifes, Cowspiracy, Blackfish, Mission Blue, Amazónia Eterna, GMO OMG…
    Pense bem no que diz e se não conseguir pensar bem, recolha informação fidedigna e procure saber MAIS, pois o pessoal pobre, humilde e burro como eu que não pode ou não quer, comer carne, já estamos fartos de gente que sabe MUITO…
    Beijinho no céu da boca…

    • Sr Miguel… sugiro o estudo real da coisa… para além de ver aquilo que se gasta e emite para produzir 1 kg de carne de vaca… sugiro leitura intensiva da produção de pastagens e forragens, que este “animais diabólicos” comem e se possível tente saber o dióxido de carbono que fixam anualmente… verá que vai ter surpresas na pegada ecológica da carne de vaca…

      • Oh Luis! É que nem vou entrar em diálogo consigo, para lá destas parcas palavras. Estude o que eu estudei e depois teremos uma base sólida para conversar-mos. Fique bem.

      • Oh Luís não porque não o tratei mal… não o conheço de lado nenhum… apenas sugeri que lesse mais sobre o assunto… depois nem você sabe o que eu estudei…. como me pode sugerir que estude o que estudou??? Enfim… é o típico… toca e foge…

    • Já agora sabe o nível de poluição que causou para comentar este artigo? O tlm, o computador o carro os seus lenços de papel também poluem, a produção de plantas e legumes gasta bastante água, ou não sabia? Para si só a carne de vaca é que é prejudicial, nas felizmente a de boi não é!

    • Miguel Loureiro

      Parece-me que quem deu o tiro no pé…foi você ! Um comentário pretensamente jocoso, ridículamente paternalista, de um estupidificado adorador do igualmente estupidificado…”SENHOR REITOR VISIONÁRIO”…e ainda por cima “consciente e vanguardista”…

      Tão “vanguardista” que, agora, talvez possa esperar-se do “visionário”, não só a eliminação da carne de vaca da U.C. mas a política de “contenção” do bolsonaro, aquela culta e ilustre bota da tropa, em defesa da “eCUlogia ! Obrigar os estudantes de Coimbra, a “fazerem cócó” dia sim, dia não… por causa do efeito de estufa e do gás metano !

      E assim, o muito que se “poupará” em água e em papel higiénico, no afã de “ver o Mundo como um todo”…

      E é a isto que os Miguéis Loureiro, “pensando bem no que dizem”, demonstram aquela “sensibilidadezinha ecológica” de que acusam outrém de não ter !

      “Bem dito seja o SENHOR REITOR da Universidade de Coimbra”(!!!!!!).

      • Pelos vistos o sr. presidente Bolsonaro continua a fazer dor de cotovelo. Deve alguma coisa? Fez algum mal? Há notícia de algum desfalque no governo dele? Aquela “culta e ilustre bota da tropa, em defesa da eCUlogia”, defende com unhas e dentes o país dele, coisa que não vejo outros dirigentes políticos fazer. Aquela bota da tropa, habitualmente, responde à letra às perguntas insidiosas que lhe fazem. Aquela bota da tropa é um grosso; diriam alguns. Claro que é. Um país que esteve mais de 20 a ser “des”governado por partidos marxistas leninistas com laivos de fascismo disfarçado de nacional socialismo (o que vai dar ao mesmo), um país onde os presidentes da república eram os primeiros a roubar a nação, um país onde um presidente entregou quase de mão beijada ao SOROS a maior mineradora do país, a Vale do Rio Doce, um país onde um outro presidente DEU de graça uma refinaria da Petrobrás e 5,5 BILHÕES de dólares para ter apoio no Foro de São Paulo, um país onde outra presidente deu a Cuba mais de 600 toneladas de feijão quando ele estava em falta no país, um país onde uma presidente ofereceu ao cumpañero Fidel o porto de Mariel, em Cuba, poderia continuar; mas ia ficar muito extenso. Dizia eu que num país assim estruturado tem que haver um homem capaz de tapar muitos buracos para realmente deixarem de fazer merda; coisa que não acontece em Portugal, por exemplo. E ká agora sabe perfeitamente que quem falou em gás metano e em efeito de estufa, como sempre foram aqueles grupinhos de pseudo jornalistas que acreditam que o “buraco” do ozono é provocado pelos HCFC’s. Ou pelo gás metano. Ou pelo CO2. Como tal, e para que não acontecesse, mandou-os defecar dia sim… Dia não. Óbvio. No caso da amazónia, por exemplo percebem-se perfeitamente as intenções de todos. Roubar, roubar e roubar. No caso concreto da França, quando é que pensam pagar ao Brasil 2.5 BILHÕES de dólares em dívida, há uns anos? A Europa desgraçou África; e estará a preparar-se para roubar esta parte da América. É bom tirar o cavalinho da chuva. Quanto ao reitor da Universidade de Coimbra, que citou o carbono como razão primeira para ter tomado a atitude que tomou, ou postura quem sabe, bom seria aprofundar os conhecimentos que tem sobre climatologia. Ele não deve saber que o CO2 é mais denso que o Ar; portanto não sobe. Deposita-se ao nível do solo e dos oceanos, servindo de alimento às plantas em geral de ao fitoplancton. Será que ele sabe que o CO2 é inócuo, não aumenta nem diminui a temperatura da atmosfera, não podendo por isso provocar qualquer efeito estufa ou aquecimento global? Enfim, entre outras coisas boas que o CO2 tem. Ah! O que o senhor reitor se deve ter esquecido, momentâneamente é que o consumo de frutas e vegetais aumenta a emissão de gases com efeito de estufa (?) para a atmosfera, para além de requerer um maior consumo de água e energia do que a criação de gado. Um estudo compara o custo ambiental da produção de vegetais com outro tipo de alimentos, como a carne de porco, e conclui que a alimentação vegetariana é a mais prejudicial para o meio ambiente no que toca à emissão de poluentes e consumo de recursos naturais. Enfim, podemo-nos esquecer até das chaves do carro com elas na mão.

      • Manuel Baptista

        “Pelos vistos o sr. presidente Bolsonaro continua a fazer dor de cotovelo. Deve alguma coisa? Fez algum mal? Há notícia de algum desfalque no governo dele? Aquela “culta e ilustre bota da tropa, em defesa da eCUlogia”, defende com unhas e dentes o país dele, coisa que não vejo outros dirigentes políticos fazer. Aquela bota da tropa, habitualmente, responde à letra às perguntas insidiosas que lhe fazem. Aquela bota da tropa é um grosso ”

        Da maneira “respeitosa e elogiosa” como fala da “bota da tropa”, que todo o Mundo civilizado e meio Brasil condena, é fácil perceber que você é um negacionista da realidade, seja em termos políticos e/ou climáticos !

        E por isso, nem consegue ver que o Brasil, no concerto das Nações. vai estando cada dia mais só, tendo a seu lado o outro bronco, o Trump(a) e o Nethaniau ! E capturado por generais torcionários, e pela IURD essa associação de malfeitores do vigarista Edir Macedo, também exportada para Portugal e, aqui, indiciada por vários crimes. (No Brasil está enquistada no governo…)

        Por isso só no campo do anedotário, é que você pode falar de “dor de cotovelo” em relação à opinião alheia…

        E é este o Brasil de hoje, das botas da tropa ! Vais por “bom caminho” Brasil !
        E quem é contra, É SÓ porque tem…”dor de cotovelo” !

      • Parabéns Miguel Batista pelo comentário. Quem não entende Bolsonaro é a esquerda que esperneia. Fala-se tanto e tanto de outros que se esquecem de olhar para si mesmo Portugal, um País que dominou os mares, agora discute se deve ou não comer carne e nem sequer entende que para a comer tem de ter bois. E o que é pior, tudo isto a mando de Bruxelas.

    • “A quantidade de gás metano emitido pela pecuária são a grande causa de aquecimento global” – quais os estudos que comprovam esta afirmação Sr Miguel Loureiro?
      Maioria dos estudos apontam, transportes, produção e energia eléctrica e industria como os maiores responsáveis pelo aquecimento global.
      Gostaria de conhecer tais estudos, fico o repto!

    • Como é que você consegue ser tão imensamente ignorante?
      Quer saber o que é ecologia, pegadas CO2 e a sustentabilidade das populações?
      Venha viver para a Índia e irá aperceber,-seda sua imensa ignorância.

    • Sr Miguel Loureiro, o Sr é um ignorante, mais um urbano depresssivo que nunca deve ter saído da cidade,,sabe lá o que está a dizer.
      Deixe lá de ver coisas na internet e leia coisas decentes.

    • ESSE SR. REITOR com maiúsculas não faz nada acerca dos ares condicionados nos gabinetes dos professores sempre a trabalhar a fundo nem das luzes acesas 24/7 nos edifícios da UC. Seria certamente uma medida mais óbvia. No meu tempo já não havia muita carne de vaca nas cantinas e a que havia normalmente também não era muito digna desse nome, sendo mesmo assim mais cara que o frango, porco ou peru. Parecendo muito ecológico ainda se poupam uns trocos valentes…

    • Sr Miguel o senhor terá de voltar novamente à instrução primária pois a sua mentalidade e cultura tá cheia de obsta de vaca

    • Miguel, acabou por constatar um dos pontos que a Raquel descreveu e muito bem, voce como pobre fica feliz de os outros pobres que querem e gostam de comer carne percam esse direito apenas porque entende que mais ninguém devia comer carne bovina.Porque é que as suas ideias tem que forcosamente ser implementadas nos outros? Fique sabendo, caso ainda nao saiba, que há culturas vegetais cujo plantio é muito mais agressivo ao meio ambiente que a producao de carne, por exemplo as amendoas, os abacates, os aspargos, as bananas, o chocolate, a cana de acúcar o arroz… De certeza absoluta que o Miguel come muitas destas coisas também. Chega de radicalismos, as pessoas ainda nao entenderam que nao é através do insulto barato e de tentarem obrigar os outros a seguirem as suas ideias que vao mudar mentalidades.

    • O Miguel, por favor, não diga que não compreendeu a essência do texto, pois é isso que o seu comentário demonstra. Acho que precisa de ir para a UC uns anitos, Mas não almoce na cantina, que pode ficar ainda com mais dificuldades de compreensão!

    • Temos finalmente um comentário lúcido feito por alguém com um cérebro ativo e que não embarca nas alucinações de partidos extremistas como o pan. O Reitor não passa de um manhoso que aproveita a boleia deste radicalismo que se instalou em mentes menos evoluídas e esclarecidas para reduzir custos e dar aos estudantes uma ementa que irá oscilar entre frango de aviário, perna de peru e bifanas de porco.

      • Chamar-te boi era um insulto aos bovinos
        VCe é um dogmático e um teórico que se deixa levar por estudos que não representam a totalidade da produção pecuária, faça um roteiro pelas nossas regiões DOP e depois diga-me onde um animal de 600kg gasta 1M de Lt de água, vc não sabe do que fala, deixe de ver documentários tendenciosos e vá passear para as zonas dos nossos produtores rurais

      • Caro labrego, não te vou retribuir o insulto chamando-te boi. Recomendo-te apenas que faças um teste de adn ao teu pai, a ti e aos teus filhos e talvez verifiques que há muitos bois aí por esses lados. Acho que não percebeste o artigo da Raquel Varela e nem o meu comentário. Talvez sejas uma versão da Greta à portuguesa. Mas é em massas de imbecis como tu que os manipuladores encontram terreno fértil para plantar e ver crescer as suas mentiras. Procura informar-te melhor, lê informação diferente da publicada pelo correio da manhã, lê os pareceres de cientistas que não são subsidio-dependentes e verás que está montada a maior farsa depois da farsa das estatinas. Informa-te acerca da atividade no sol, na existência na superfície solar de mais ou menos manchas e de que forma esse fenómeno pode influenciar a temperatura no nosso planeta e nos outros que também estão a aquecer e que se saiba, não há lá vacas nem carros a gasóleo. O nosso problema, caro palerma, é o consumo excessivo e desregrado de quase tudo e o pouco cuidado que estamos a ter com a nossa casa global. Esquece o aquecimento e as alterações climaticas, pois em rigor, pouco podes fazer em relação a isso, É o teu cérebro pequeno e facilmente manipulavel que está assustado com as mentiras que te andam a contar. E como estás assustado, ficas admirado porque há quem não se assuste como tu. Cresce e aparece de forma educada nestes espaços de debate onde se espera que estejam pessoas educadas e esclarecidas.

    • Chamar-te boi era um insulto aos bovinos
      VCe é um dogmático e um teórico que se deixa levar por estudos que não representam a totalidade da produção pecuária, faça um roteiro pelas nossas regiões DOP e depois diga-me onde um animal de 600kg gasta 1M de Lt de água, vc não sabe do que fala, deixe de ver documentários tendenciosos e vá passear para as zonas dos nossos produtores rurais

    • Há muita gente por aí que acha que não estamos a caminhar para o fim do mundo, que acha que não se está a passar nada no mundo a não ser um calorzinho agradável para ir para a praia. As pessoas precisam de comer carne para ser inteligentes? bem, se for tão burra como o Da Vinci já me dou por contente. E o risco de demência aumentado por quem come carne?chegar a velhos mas com saúde mental, por favor.
      Tenho conhecimento que nos países nórdicos muitas instituições também adotaram nas cantinas públicas um dia por semana em que não servem carne fazendo uma redução anual no consumo de carne que ascende a mais de uma dezena de toneladas de carne para o estado.
      Existem vários prós e contras em tudo na vida e o que nso falta é equilíbrio. No meu tempo de escola falava-se em duas ou três refeições por semana de origem animal, não setes vezes por semana duas vezes ao dia.
      No entanto uma coisa é certa e disso não se fala. Se os campos utilizados para produção de gado fossem utilizados para vegetais e cereais, não existiria fome no mundo..

    • Senhor Miguel Loureiro. Desculpe a ousadia de comentar o seu comentário. Mas este é um tema algo polémico, e fraturante. Pelo que temos que o discutir com seriedade. Repare, eu concordo consigo que temos que reduzir o consumo de carne. Mas temos que fazer TANTAS COISAS MAIS, e acima de tudo, ANTES, e que não fazemos… Porque é que, de repente, só nos lembramos da carne? Adiante: o queria perguntar-lhe é isto: Diga-me onde existe um dado científico que corrobore o que disse: ” A quantidade de gás metano emitido são a maior causa do aquecimento global”. NÃO É VERDADE. Nos EUA, na Europa, etc., todos os estudos a colocam nem como 1ª nem como 2ª maior causa! Por isso, porque é que, ao mesmo tempo que REDUZIMOS, e não BANIMOS o consumo de carne, não… Andamos a pé? Prescindimos de energia elétrica? De internet? Porque, essas sim, são as principais causas do aquecimento global. E depois, sim… reduzir no bife. Mas principalmente do importado, da América do Sul, por exemplo, que além da pegada ecológica, tem a pegada do carbono do transporte. Trocava assim, por… Uma barrosã, que é mesmo aqui ao lado. Cumprimentos.

    • Excelente comentario, Miguel Loureiro. Infelizmente ainda somos poucos os que pensamos assim, mas talvez com o tempo cheguemos todos la.

  2. A esquerda ama e adora o Salazar. Precisam dele para justificar o valor moral da sua própria existência! Se houvesse a tal “glorificação do Estado Novo ” a drª Raquel Varela dançaria em cima da mesa de felicidade, pois dava-lhe o mote para mais alguns posts de indignação profunda.

  3. discordo totalmente … mas reconheço que tem algum interesse para avaliar o ódio esquerdóide ….em 1º lugar …. quem tem posses faz por isso , não chove notas … é claro que despachei os processos todos às 1145 am e os que bebem tinto e têm serradura na cabeça … ainda estão a pensar »»»

  4. Exclente artigo, bem oportuno sobre a no a vaga dictatorial de costumes, Pena que acaba citando Salazar que nada tem a ver com este fascismo caviar dia nossos dias, logo ele que era fascista, comia vaca e não era estupido

  5. Não foram estes dois excertos – “um dos maiores estudos de saúde do mundo provou que a segurança no emprego e a autonomia podem aumentar 18 anos a esperança média de vida e o medo fazer cair a mesma 18 anos, pela produção de cortisol” e
    “Ainda vou assistir à glorificação do Estado Novo em plena Universidade de Coimbra, o fantasma do Salazar a rondar as salas escuras, de ilusão esverdeada – carne faz mal, melhor só no Natal -, e a análise de Raquel Varela seria quase perfeita.

    Quanto ao primeiro, se assim fosse, os funcionários públicos, independentemente da função, teriam longevidade superior aos do privado. Formem as escolas cidadãos livres e independentes, capazes de sentirem prazer e realização naquilo que fazem, e seguramente que o medo e os níveis de cortisol será apenas os normais (nem elevados nem baixos em demasia.

    Quanto ao segundo, conclusivo e que até dado título ao texto, é completamente descabido e incongruente com o grosso da exposição.

  6. Não entendo como uns “carneiros” são capazes de seguir a erva verde.
    Só eles é que tem razão,só eles é que sabem:
    Grandes “doutos”:
    Acho interessante quando essa gente defende o verde,pois alguns são bem pagos outros o seguidores do radical,fazem-no porque acham chique.
    Quando alguém tem a coragem como esta senhora de dizer o que sente e se baseia em factos,só sabem dizer que os outros estão errados.
    Pobres mentes…

  7. 1) O chamado “movimento ambientalista” é uma criação da própria oligarquia capitalista.

    Num mundo de recursos naturais limitados (e cada vez mais escassos) acha que há real interesse em ter a Economia desenvolvida, para que a “arraia-miúda” consuma preciosos recursos, que se querem antes salvaguardados para as elites?

    (A verdadeira riqueza são os recursos naturais, ou a possibilidade de acesso aos mesmos… De que valeria a tais elites da sociedade terem montes de papel-dinheiro, se deixassem tais recursos naturais esgotarem-se?)

    Também, o dito “aquecimento global” antropogénico é uma *enorme mentira” – que qualquer pessoa com um mínimo de formação científica consegue também desmontar – e a Amazónia (onde poderia ser produzida mais carne) não é nenhum “Pulmão do Planeta”: h*tps://controlc.com/6dbc7e9b

    Quem são os membros do Clube de Roma, que publicou a obra Os Limites do Crescimento? Quem é que criou, presidiu e financia o WWF? Quem é que financia a Greenpeace? (h*tps://larouchepac.com/category/green-fascism + h*tps://blackfernando.blogs.sapo.pt/a-verdadeira-greenpeace-126968)

    2) A agricultura biológica deverá ser sempre algo para as elites e classes mais altas, que podem pagar os seus custos mais elevados. Se não usássemos fertilizantes e pesticidas, a nível mundial, as estimativas são de que apenas conseguiríamos produzir comida suficiente para cerca de 2.5 mil milhões de pessoas (h*tps://archives.globalresearch.ca/articles/PFE307A.html). Foi a chamada “Revolução Verde” que permitiu que a Humanidade chegasse aos presentes 7.7 mil milhões.

    3) IMPORTANTE: Não deixe os seus filhos rapazes comerem soja! Pois, esta tem no organismo humano o mesmo efeito que têm as hormonas femininas: h*tps://www.youtube.com/watch?v=FTSvLKY7HEk

  8. É triste que alimente os seus filhos com o dinehiro que faz a escrever idiotices… Gostava de saber onde tirou o seu curso de nutrição… Foi no paleo descoplicado, foi? E já agora.. Salazar era marxista? Tanta verborreia…arranje mas é um trabalhinho que esta a fazer lhe falta dignificar esse espirito.

  9. Bom artigo.
    Também estamos a assistir à privatização dos espaços publicos na baixa da cidade. Aqui além dos estacionamentos temos as esplanadas. Muito barato para o preço do interior das lojas.

    Era para ser público Já á não é. São monstruosos chapéus, vasos, cadeiras para todos os gostos, sofás, candeeiros, etc. É só vir ver.
    Era de todos a minha rua e agora nem minha nem tua.

  10. Interessante como se multiplicam as desculpas para não aceitar uma coisa que é óbvia: a terra com os seus 7,2 mil milhões de habitantes não está a dar conta do recado! E cada vez mais gente constata isso, para além do mundo científico que no caso, para certos comentadores exaltados tem muito pouca importância …

    Mais interessante ainda, todo o alarido por um Reitor de uma Universidade, com o apoio da Associação Académica respectiva, tenha decidido substituir nas suas cantinas, a carne de vaca por outro nutriente – carne de vaca essa, que quase todo mundo sabe, não é lá muito boa para a saúde e cuja produção é de facto muitíssimo mais poluente do que a do porco e aves….

    Interessantíssimo, como quando nos mexem no prato, quase todos viramos Trump e começamos a negar evidências e clamar que há um complot internacional prontinho para nos oprimir ou/e até descobrimos interessantes ligações entre o marxismo e o consumo da dita proteína ….

    (tanto quanto me apercebi, não é a única medida para diminuir a pegada ecológica. E nestas coisas da poluição bom é que cada um faça aquilo que está à sua mão fazer com a certeza de que por si só não é suficiente mas não deixa de ser necessária)

  11. Excelente artigo, todas as palavras valiosas, um dia gostava de assistir a uma aula da Raquel.
    “A periferia não é verde, é inexistente”! Nem mais, estamos expulsos de todas as periferias desde a pré industrialização. Um dia, quando os pobres não puserem comida na mesa para os filhos, o que lhes resta a não ser “comer” (matar) os ricos, o germe da revolta anda aí, “Se nós e os nossos filhos vamos passar fome, que trabalhem os donos e os feitores”.

    Um excelente ano letivo querida Raquel, mostre as entrelinhas aos seus (meus antigos) alunos
    Abraço.

  12. Ainda há muita confusão em relação a este tema e há principalmente porque em vez de nos tentarmos entender uns aos outros continuamos a alimentar a crítica e a guerra entre nós, sozinhos, aqui neste planeta terra, neste sistema solar… Em vez de procurar entender e falar com o Reitor… por acaso falou com ele antes de escrever este artigo? Se fosse seu amigo arrisco a dizer que não escreveria desta forma… Diria que quase é um exercício de descarga de frustrações no bode expiatório que está à mão…

  13. Ter responsabilidade não significa agir de forma arbitrária, o autoritarismo paternalista demonstrado por este reitor é insultuoso. Não é de ecologia que estamos a falar, é de poder, de um poder ilegítimo, de um poder que alguém faz questão de exercer. O que está em causa não é a qualidade desse alguém é sim a disposição para um posicionamento, é o olhar sobranceiro que destitui e desfaz os outros.
    Privar alguém de algo é uma coisa séria tão mais séria quanto essencial. A ameaça é hoje, foi ontem e será amanhã, porque a prontidão é em nome do constrangimento e não da libertação.
    É de um enorme cinismo a preocupação com o futuro quando o que está em causa é a vida no imediato.
    Na verdade é tudo cada vez mais exclusivo, o espaço publico, o espaço privado, a vida saudável, a vida com saúde, até a felicidade que é o preço a pagar por quem nada mais tem para dar.

  14. Raquel Varela, subscrevo.
    Tudo isto me fez lembrar uma história verídica, passada numa aldeia alentejana. A mãe do meu cunhado observava, entre o irónico e o reprovador, uma vizinha que se passeava pela rua de roupão, quando passou um senhor, já velhote e provavelmente analfabeto, que se lhe dirigiu, dizendo: – Nã ligue, nha senhora, aquilo é a vaidade da “ingnorância”.
    O que é grave é que o Reitor não é ignorante, mas aproveita a boleia dos ignorantes, formados no google, nos vídeos do youtube ou nos blogs de terceira categoria, (com a bênção dos “negociantes verdes”), para, num ato de prepotência inqualificável, reduzir custos, recebendo, ainda, o aplauso dos da onda verde, que de “verde” só entendem o que lhes impingem ou o quanto dele se podem aproveitar.
    Um roupão ou as alterações climáticas são coisas que, para alguns, servem para se pavonear.
    Cumprimentos,

    Teresa Varela

  15. Se substituirmos a carne de vaca,por umas feijoadas de Porco, o nivel de metano sobe ou desce?
    Relativamente ao pivete que do processo emana, não restam dúvidas de que as pituitárias seriam mais afectadas, mas só a reitoria tem conhecimentos para avaliar tais factos.

  16. Quase que concordo com o texto todo. Tirando a parte do Salazar, afinal hoje assistimos ao mesmo só não se chama salazarismo.

    A populaça está tão bestializada que sorve estas noticias fabricadas e nem pensa. Fala sem pensar, sem ser critico.

  17. O mito da proteína obtida pela carne acabou por toldar também o espírito da Raquel Varela. Facto é que hoje é sabido que a mesma proporção de soja face à de carne equivale em sete vezes mais o teor proteico. Pelo que não vá por aí. Se algo o PAN fez foi introduzir na agenda a discussão de temas de que nós tendemos a fugir escondidos numa qualquer tragédia tradicionalista.

  18. “Marx explicava que a tendência do capitalismo era para tornar vegetarianas as classes trabalhadoras, desde logo diminuindo a parcela de proteína a que têm acesso na reprodução da força de trabalho, vulgo salário. ” – ?? !!! Ai Marx, Marx que nunca conheceu o Mac Donald’s 🙂 e de como existe um em cada esquina da cidade de Coimbra….

    A RV é pelo alargamento da experiência gastronómica dos estudantes mais desfavorecidos? Então vamos propor a inclusão no menu, da caça, do caviar, da lagosta, do cherne, do rodovalho …..
    COMO CUSTA A ENTENDER QUE NÃO INCLUIR NO MENU NÃO É PROIBIR….
    Qualquer medida anti pegada ecológica, por mais ridícula que possa parecer, é importante!! Não é suficiente? Não! Mas é importante, tal como todos os nossos pequenos gestos!!

  19. Se isto não vai acabar,se acabam tantos outros planetas, porquê é que este não há de acabar, é o que estão a fazer desde a revolução industrial,mas esse aí não foi o problema mas sim a ganância (o chamado capitais ou mercados, já nem eu sei), desculpem nem sou pobre nem sou rico, só quero (e mea culpa também),(porque ainda não fiz nada por isso “ainda”) é que 100% do planeta tenham o que eu tenho (e isso não é difícil),e aí o planeta é capaz de não acabar(talvez porque acho eu que este plano é mais sustentável do que mil cimeiras do clima),(“ai” deixa me ver se reduzir os níveis de carbono,tenho ainda planeta para sei lá nas melhores das hipóteses 100 anos), um planeta que se destruí antes não por culpa dos dinossauros, mas por “factores”(gosto dos Lusíadas) externos,mas planeta esse que se ergueu novamente sem cimeiras do clima, dêem a todos o direito de ser, humano, e aí verao o clima a mudar (“ei” mais fábricas não onde quer que seja), já chega o dinheiro que nós temos para isso, não é preciso os “milionários”(porque agora há outros nomes para isso),darem nada nós temos que chegue para salvar o mundo.E depois temos é claro de ensinar o ser humano a ser feliz com que tem.
    E a auto sustentar-se em comunidade.
    Enfim uma opinião.
    Cr6

  20. Na realidade este reitor queria sapatos de crocodilo, foram á procura mas não encontraram, os crocodilos andavam todos descalços.

  21. Curioso que ninguém se lembra que a carne vermelha aumenta o colesterol, que a carne de vaca, quer lhe chamem biológica ou não, está cheia de adrenalina devido à forma como as matam. Que não se pode dizer que há carne biológica quando os animais comem “ervas” que todos os dias levam com químicos que vêm do ar libertados por aviões ou rações também elas cheias de químicos. Que a carne é um dos alimentos de mais difícil digestão. Que as vacas quando adoecem tomam grandes doses de antibióticos e sabe-se lá mais o quê e depois essa mesma carne é consumida pelas pessoas. Etc Etc Etc….
    E não, a poluição da agropecuária não é o principal causador das alterações climáticas. Há outras causas bem mais importantes e que ninguém discute porque incomoda o poder mundial.

  22. Excelentissimo Senhor Reitor da Universidade de Coimbra,
    Vossa Excelência Receia António de Oliveira Salazar? Pois NÃO o deveria fazer visto que Esse Grande Senhor Foi o Responsável Pela Neutralidade de Portugal durante a Ii Guerra Mundial bem Como O Facto de Ter Posto Em Ordem as Contas Deste Pais em Curto Espaço de Tempo , País Esse Arruinado Pela I Guerra Mundial.
    Eu Nasci Nesse Tempo , em 1947, e aos 7 anos de idade Escrevi Uma Curta Missiva a Esse Cavalheiro Que Após Dez Dias me Respondeu Ele Próprio aconselhando-me a Continuar a Estudar e Obedecer a meus Pais a fim de me tornar uma grande Senhora.
    Também Quem Lhe Escreveu Agradecendo Uns Livros que Salazar Lhe enviara Autografados foi o Actual Presidente da República: Professor Marcelo Rebelo de Sousa aos 11 Anos de Idade e quando então frequentava o primeiro ano do Liceu em Lisboa.
    A Carta , Muitíssimo Bem Escrita , aliás e que Recordo Terminava Assim: DEUS QUER, O HOMEM FAZ E A OBRA NASCE Frase que Vossa Excelencia Sabe Ser da Autoria Do Grande Poeta: Fernando Pessoa.
    O Sr. Professor Marcelo Rebelo de Sousa ,Como Vossa Excelência Sabe ,Foi Apadrinhado pelo Professor Marcelo Caetano e Seu Pai Esteve ao Serviço de António de Oliveira Salazar sendo Seu Último Posto “GOVERNADOR de MOÇAMBIQUE”.
    Envio a Vossa Excelência as Milhas Melhores Saudações.
    Rita Corrêa da Silva

  23. Nem li todos os comentários…. é com cada um… acham que o tal REITOR ecológico vai deixar de ir comer um belo bife de vaca? Se calhar nem vocês o vão deixar de fazer! Nem muitos de vocês nem os fulanos do PAN! A chave é reduzir e não proibir… Há estudantes que podem fazer um belo bife de vaca em casa, outros não são capazes de fazer uma refeição digna em casa! Nem uma lata de atum podem comer, se calhar… Aqui em casa não vivemos assim tão mal e não comemos carne e vaca, há que poupar para pagar os estudos, a saúde, a casa, … nem quero imaginar aqueles que sustentam uma casa com um salário mínimo e com filhos da estudar! Vocês são desses?
    Daqui a umas semanas é a LATADA, será que o REITOR ecológico vai apelar à ecologia na lixeira que fica no final da QUEIMA e da LATADA? Onde vão estar os que se manifestam em frente da câmara pelas alterações climáticas? Não querem que eu responda, pois não?!

  24. O maior estudo de saúde do mundo, gostaria de saber qual é, só faltou falar do Hitler que era vegetariano, já que inseriu o Salazar e Marx de forma tão lógica e inteligente.

  25. Pingback: Não é Bem Assim #1 Raquel Varela e o Reitor - António Pedro Moreira

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s