The Legacy of the Portuguese Revolution

Entramos agora nas celebrações do 25 de Abril, é um mês de festa para nós, este ano um pouco distinta, mesmo em confinamneto não podemos deixar de recordar esses dias felizes, e inteiros do povo português. A revista Global Dialogue, publicação da Associação Internacional de Sociologia, em diversas línguas, fez-me este entrevista sobre o legado da revolução dos cravos:

Raquel Varela is a historian based at the NOVA University of Lisbon in Portugal. Her work focuses on labor history, the welfare state, the history of Portugal and Europe in the twentieth century, as well as the history of social movements. She is the co-founder of the Network for Global Labor Studies and president of the International Association Strikes and Social Conflicts.

In her book A People’s History of the Portuguese Revolution (2018) she tells the history of Portugal’s 1974 Carnation Revolution from below. To do so, she explores the role of the anticolonial movement in Africa, as well as those of Portuguese workers, women, and artists in the process.

Here she is interviewed by Christine Schickert, the administrative director of the DFG Research Group on Post-Growth Societies at the Friedrich Schiller University of Jena, Germany and assistant editor of Global Dialogue.

CS: 46 years ago, in April of 1974, the dictatorship in Portugal ended with a military coup. The immediate reason for the coup was the military’s dissatisfaction with the war Portugal was waging in its colonies. Could you tell us about the situation in the Portuguese colonies in Africa at the time of the war? What were the reasons the military became disappointed with the political leadership?

RV: Portugal was an extremely backward country at the time. It was the last of the old empires and a chronic empire that fought bitterly against the anticolonial revolutions for thirteen years in a terrible colonial war that mobilized more than one million young men between 1961 and 1974. In 1974 alone, 150,000 men were mobilized for the war. The defeat of the colonial war was mainly due to the liberation movement, especially in Guinea-Bissau which was led by a great forgotten Marxist called Amílcar Cabral.

The strong liberation movement and the prolonged fighting made it clear to some of the army officials, mostly officers from the middle ranks, not generals, not soldiers, that the war could not continue, and that a political solution was necessary to end it. So they organized a coup d’état on April 25, 1974. The commander of the coup d’état was Otelo Saraiva de Carvalho. They defeated the regime and removed dictator Marcello Caetano, but they told the people to stay at home. But the people didn’t listen and invaded the streets.

What makes the revolution in the colonies especially interesting is that for the first time what the Third International said would happen, did happen: Unrest spread from the colonies to the center, to the metropolis. After 1975 it spread back to the colonies. The liberation from the dictatorship started with a bloody war in the colonies and then turned into a party in the streets of Lisbon. It was 19 months of the most radical revolution of the post-war era in Europe – it was the last revolution of the post-war, much more radical than May of 1968, and it was the last revolution to question private property.

CS: Let me first take up the point that the military told the people to stay at home but they didn’t. Can you tell us more about that and the situation of the people at the time? Why did they join the army in this revolution?

RV: For 48 years Portugal was a dictatorship and one of the most backward countries in Europe. Between 1961 and 1974 a colonial war on three fronts mobilized more than one million men. Proportionally, the war with the colonies killed more Portuguese than American soldiers in Vietnam. To escape war and poverty many people emigrated – especially to other countries in Europe. About 1.5 million people left the country from 1960 onwards. Portugal had one of the highest rates of child mortality, and women could have their correspondence opened by their husbands.

Portugal was a country of 9.5 million people and on May 1, 1974, one week after April 25, two million people came out celebrating the first of May, demanding not just democratic changes like the end of the dictatorship but also voicing revolutionary social demands like a minimum wage, not working on Saturday and Sunday, being paid for night shifts, or an equal pay for men and women. During the Portuguese revolution three million people were organized in either workers’ commissions, neighborhood commissions, city commissions, or students’ commissions. This was a revolution which happened not just in the industrial sector, which was the most important sector that led the process; workers from all sectors joined in, for example public service workers. So hospitals were occupied by doctors, schools were occupied by teachers. The Carnation Revolution was a late revolution of the twentieth century, so Portugal had already had a very strong service sector employing large numbers of workers. And these people were part of the revolution.

CS: Let me take up a second point you mentioned: you said that the Portuguese Revolution was the last one to address questions of property…

RV: Six hundred companies were occupied and became either self-managed or cooperatives of some form, workers’ control processes were introduced in large companies, and banks were nationalized and expropriated without any compensation to the banking sector. The bourgeoisie actually left the country after some months, escaping to Brazil after being expropriated. In my opinion, although that is a counterfactual analysis (in history we don’t say “if” – this is against the facts), this led to postponing by ten years the introduction of neoliberal policies. Neoliberal politics were not introduced after the revolution because the American president at the time, Gerald Ford, and his administration were really afraid that Portugal could be the start of a red Mediterranean. So what the Portuguese revolution shows is that an economic crisis, as Marx actually pointed out, is not necessarily a disaster for the working class but can be used by them to turn it into a political crisis of the state and against the main ruling classes.

CS: Talking about the people, you called your book A People’s History of the Portuguese Revolution. What was the impulse for that? Why did you want to tell it this way?

RV: Obviously, there is an influence of the ‘history from below’ and the social history from Britain in the 1960s, and more directly it is influenced by Howard Zinn, the American historian and socialist thinker. There is this idea that we have to chronicle the history of the resistance, of the people who struggle, of the people who fight. So we need to include in history not just the history of institutions and governments but history from below, the peoples’ history, anonymous masses that play a role, the resistance of workers. This essential part of history is necessary to a comprehensive understanding. Because the working classes frequently don’t have a notion of what they can do, it is important to write a history of the people, of their actions and show these special moments in history when the working classes are extremely strong and they change the world, they change themselves. We are speaking of a country that until 1974 had been for 48 years the most backward country in Europe and that within the next 25 years went on to become the twelfth country with the best national health service in the world. This is only possible with immense collective strength.

What is also very interesting about the Portuguese revolution is that for the first time the Stalinist approach was really questioned on the left. The May 1968 movement had already questioned the hegemony of Stalinists in big factories in France, but in the Portuguese revolution the questioning was more profound. The so-called extreme left, or the left of the Communist Party, had a huge power in the leadership of struggles, workers’ commissions, in big unions, in both industrial and service sectors.

CS: Let us talk about the legacy of the Portuguese revolution: Is the challenging/questioning of property relations and the reorganization of companies still reflected in today’s political landscape whether at the level of movements or parties? And does it somehow tie into the way Portugal handled the aftermath of the financial crisis/debt crisis after 2008?

RV: One of the last changes in property relations that lasted until the post-troika era was in housing, with controlled prices. One of the demands of the International Monetary Fund and Germany/the EU when negotiating the Economic Adjustment Programme for Portugal during the Portuguese financial crisis (2010-4) was to liberalize the housing market, which has had devastating effects on the working classes (poor and middle). The most lasting effect of the revolution was the confrontation of the far right, which still endures today.

CS: Yes, this is indeed another point that strikes me: following the financial crisis of 2008, in Portugal, unlike in other countries in Europe, no strong right-wing party developed. Could you explain how this is tied to the Carnation Revolution?

RV: That is definitely a consequence of the revolution. The revolution was not solely a transition to democracy but a revolution that made purges in the state apparatus and turned the leadership of the right-wing regime out of the state apparatus. There was a clear break with this leadership. There is no culture and savoir faire of the extreme right in Portugal. This can change, of course, but until now, while the generation of the revolution is still alive I don’t believe it is possible to have a strong extreme right. That, of course, means that in ten years we don’t know what will happen.

Direct all correspondence to Raquel Varela

The Legacy of the Portuguese Revolution: An Interview with Raquel Varela

The People’s History of the Portuguese Revolution

Raquel Varela: “What we saw in Portugal in 1974 and 1975 was men and women fighting together, Black and White people fighting together, shanty towns and highly qualified workers fighting together. The working class was able to have a universal project of changing society. Contrary to Stalinism in the 30s, the Portuguese road to socialism was full of liberty. It shows that workers can take power, can organize themselves within liberty.”

Tive a honra de passar pela mesma entrevista onde muitos anos antes esteve o nosso mestre das People’s History, Howard Zinn, o historiador que fundou as histórias do povo. O programa norte-americano de rádio ThisisHell, onde dei esta entrevista que aqui vos deixo em link, a partir da publicação do meu livro História do Povo na Revolução Portuguesa (Bertrand), The People’s History of the Portuguese Revolution (Pluto Press).

https://thisishell.com/interviews/1065-raquel-varela?fbclid=IwAR2vHSOoaFhQn-WJJB7_9dWpJhdpYhfbTJQDJ6ziVqYlt6jothco1WX08i4

O 25 de Abril, entrevista

Entrevista que dei ao Oeiras Actual um pouco sobre tudo, as crianças hoje, a vida pessoal e familiar, a revolução e o papel da história, o 25 de Abril. A entrevista está em acesso livre.

‘Quando mudamos um país ele muda-nos com ele’, é o mote da exposição sobre o 25 de Abril que conta com a curadoria da historiadora e investigadora Raquel Varela. A palavra ‘exposição’ é redutora. O que se pretende é algo mais amplo e vasto. Vamos lá ser destemidos, afinal, falamos dos propósitos de Abril. A ideia é questionar, mudar, interpelar, cutucar, transformar. (…) E não pode perder. E levar os seus
familiares, amigos, filhos, gente nova e velha, porque não podemos ser ausentes da nossa própria história. Não podemos.

OA: Raquel, 15 livros em dez anos, mais filhos, qual o segredo?

RV: (risos) Até acho que são mais de 15. É possível porque sou apaixonada pelo meu trabalho; porque trabalho muito em equipa, tenho muitos alunos, muitas teses, muitos projetos nacionais e internacionais. E, também, é possível porque eu tenho uma família maravilhosa. Os meus filhos são educados segundo princípios do séc. XIX: muito respeito, autoridade e carinho coletivo. Eu, o pai deles, o meu marido, os meus pais, uma ama que eles tiveram durante muitos anos – a Guida de Vila Fria por quem tenho uma estima imensa- todos juntos são um apoio fundamental.

Não sofre daquilo que muitas mulheres sofrem que é a culpa do tempo que não passam com os filhos?

RV: Eu trabalhei bem isso porque sou muito crítica, quer dos novos feminismos quer do machismo. É algo que tenho refletido muito porque tem a ver com o meu trabalho. O grande problema das crianças de hoje é dia é a falta de sociabilização com outras crianças. Nós, historicamente, nunca estivemos tanto com os nossos pais como agora estão.

A licenciatura em História surgiu por paixão?

RV: Completamente. Estive em Direito até ao terceiro ano e mudei. Primeiro entro para História, mas o meu pai, que queria que eu fosse para Direito, permitiu-me que eu tivesse um ano sabático, a viajar e uma vida boa, para que concorresse no ano seguinte para Direito. E entrei em Direito.

Esse ano sabático não teve grandes resultados.

RV: Não, não teve porque no terceiro ano resolvo ir para História que era aquilo que eu sempre quis. E é aquilo que gosto de fazer.

De onde vem essa paixão?

RV: Cresci num ambiente de gente curiosa. Os meus pais sempre tiveram uma envolvência política e critica. Mesmo as minhas avós que não tinham as qualificações dos meus pais, eram mulheres muito curiosas, sempre a perguntarem porquê. O mundo obscurantista dos dogmas nunca fez parte
da minha família. E eu compreendi que sabendo o passado preparo muito melhor o futuro.

A História é o olhar de alguém sobre um facto. Não pode a História mentir?

RV: Pode. A História pode mentir muito, mas penso que há balizas. Não existe neutralidade mas tem de existir seriedade sobre os factos. Tenho de elencar os factos e depois, a interpretação que tenho de cada um deles. Naturalmente que mais do que nossa é de correntes historiográficas ou seja, as grandes correntes da História que nos influenciam. E a melhor forma é sermos sinceros e dizermos quais são essas correntes e deixa-las claras. Agora, importa salientar que a História não é um achismo, uma opinião sobre. É uma sucessão de factos que têm uma temporalidade. E não é só isso, porque se fosse só isso bastava elencar os factos e já os tínhamos. A História é, necessariamente, interpretação. É uma dança. Feliz e o mais harmónica possível, entre empírico e teórico, facto e análise, conceito e evidência. Essa dança tem sempre de ser a pares. Agora, reafirmo, não existe neutralidade. Mas tem de existir seriedade e rigor.

E quando perante um facto tão óbvio se depara com perceções, desse mesmo facto, tão distintas das suas?

rv. Irrita-me. Irrita-me muito. Não me incomoda ideias distintas das minhas, isso até gosto. Não há ciência sem contraditório, é doloroso mas temos de ser confrontados com opiniões distintas. O que me irrita é quando são interpretações que extrapolam a seriedade.

É desonesto
RV: Completamente.

Foi convidada pela câmara para ser a curadora da exposição sobre o 25 de Abril. Já não foi tudo dito sobre o 25 de Abril?

RV: Não, nem pensar. Esta exposição tem uma característica única em 45 anos de cerebrações, aliás, digo mesmo que estas celebrações são as mais importantes do país são de caracter nacional. Isto não é só uma história de Oeiras. É uma reflexão sobre o 25 de Abril. Este é um 25 de Abril popular. É o 25 de Abril e a revolução social que se
lhe segue muito centrado nas dinâmicas populares. O 25 de abril também é o 25 de Abril institucional. O 25 de Abril também é o 25 de Abril cultural. Há muitas formas de contar a história da revolução. E esta, aqui em Oeiras, é a sua dimensão popular. Que é aquilo que na nossa opinião distingue as revoluções das simples quarteladas ou golpes militares. Nós não tivemos só um golpe militar, nós tivemos um golpe militar com uma revolução. E durante muito tempo demos muito espaço à história politica e institucional e militar e pouco à história dos movimentos sociais. E é muito importante que se reflita sobre esse lado social. Estas pessoas pertenciam a um país analfabeto, atrasado, retrógrado. Elas próprias não eram pessoas com papel, eram submissas, medrosas, cobardes até e o 25 de Abril abriu as portas a que elas se transformassem. Muitos destes cobardes tornaram-se corajosos. Muitas pessoas ausentes da política quiseram participar. As pessoas transformaram-se quando transformaram o país. Este é o mote desta exposição e por isso se chama: quando mudamos um país mudamos com ele. E ainda há muito para se estudar.

45 anos depois?

RV: Sim, sem sombra de dúvida. Até porque agora é que começa a haver conforto por parte de investigadores para olharem com menos medo da reação dos vivos.

Mas estes 45 anos também distanciam gerações desse momento. Os mais novos, por exemplo, olham como se fosse algo que está lá muito longe no tempo.

RV: É verdade mas o 25 de Abril é o feriado mais celebrado em Portugal. Não há nenhum feriado com esta dimensão.
Juntas de freguesia, associações, clubes desportivos, bombeiros… são milhares de coletividades e associações e grupos que festejam este dia. Eu digo, meio a sério e
meio a brincar, que o Grândola deveria ser o nosso hino. Porque é, de facto, o feriado mais enraizado popularmente.

A Raquel não era nascida no 25 de Abril, mas teve desde pequena a noção da importância desse dia?

RV: Tive. E tive porque nasci numa família de esquerda fortemente antifascista. Sempre houve, na minha cabeça, um antes e um depois do 25 de Abril.

O papel de Oeiras no 25 de Abril acentuou-se pela sua proximidade geográfica à Capital ou há outros fatores que
levam a que tenha um papel fundamental?

RV: Oeiras teve um papel que à medida que íamos fazendo a investigação se tornou maior do que pensávamos. Oeiras era uma das principais zonas do país com o problema das barracas. É também o primeiro concelho a acabar com elas, mas isso já nos anos 90. Houve as ocupações e a luta
contra as barracas que é um movimento social, e houve o SAAL que era um programa governamental para se tentar construir casas. Os técnicos da SAAL foram afastadas das maiorias da câmaras quando o programa acaba, em 1976, mas a câmara de Oeiras incorpora-os. Isso é absolutamente fundamental porque tínhamos aqui crianças que no 25 de Abril elas acordavam e não tinham orelhas porque tinham sido comidas pelos ratos durante a noite. Não havia saneamento básico que era a causa principal de mortalidade que era altíssima– nós vamos ter esse dado na exposição. Isto ainda antes da saúde. Tão simples como separar a água de beber da água de esgoto. Havia zonas em Oeiras onde havia uma torneira para 1700 pessoas. Isto em 1974 mesmo ao lado de Lisboa. O que torna Oeiras representativo a nível nacional, é a sua luta contra as barracas e contra os bairros de habitação clandestinos. Do ponto de vista militar também é importante por causa de Caxias e da sua prisão onde estiveram os presos políticos; também é importante por causa do regimento de artilharia de costa; vários militares do MFA e do Movimento de Capitães viviam aqui no concelho de Oeiras, entre eles o comandante operacional Otelo Saraiva de Carvalho. Oeiras tinha a unidade de polícia móvel que era o corpo de intervenção repressivo sobre os trabalhadores. Depois Oeiras tem uma dimensão fabril, sobretudo na Amadora e Carnaxide. Nessa altura Amadora pertencia a Oeiras Exato. E estamos a falar de fábricas multinacionais. Falamos de lutas fabris em fábricas multinacionais. Oeiras tem um grande papel. Um papel inquestionável no 25 de Abril.

O que se pode esperar da exposição, um maior conhecimento sobre o 25 de Abril?

RV: Sim, vamos clarificar o papel que cada interveniente, que já afloramos, teve. As pessoas vão perceber a centralidade de Oeiras na história nacional e na história local. E, por outro lado, vão ter essa dimensão popular. Mas a exposição está desenhada para criar sensações. Entra-se como se entrasse
no túnel da ditadura e sai-se no 25 de Abril e termina-se com uma interrogação: para onde é que queremos ir hoje?

É a primeira vez que é curadora de uma exposição, como foi esta viagem?

RV: Sim, é a primeira vez e gostei muito. E aceitei porque sabia, logo à partida, que tinha a possibilidade de ter uma equipa excecional a trabalhar comigo e à cabeça o designer Pedro Pascoa.

O que foi fundamental para si.

RV: Absolutamente, porque ele é, para mim, o melhor designer português a trabalhar. Não tenho dúvidas disso. E se não fosse esta dimensão esta experiencia tinha sido um desafio muito assustador e não foi. Foi um prazer enorme porque do outro lado tinha alguém que não pensa só formas, há uma relação profunda com os conteúdos. E deixe dizer que esta experiência com a câmara de Oeiras foi, de facto, muito interessante porque esta iniciativa envolveu uma vastíssima equipa. Por um lado houve uma grande autonomia científica, que foi, desde a primeira hora garantida, por outro, houve uma vasta cooperação.

É papel de uma câmara, seja a de Oeiras ou outra, dar a conhecer a nossa história?

RV: É fundamental. Nestas comemorações muitas vezes faz-se um museu ou uma exposição e fica-se por aí; e estas
comemorações juntam a parte cultural, educacional, multimédia, conferências, exposição, ou seja, nós fizemos, em Oeiras, um evento multidisciplinar facetado para que a História seja viva e que interrogue os participantes. Não é uma fotografia fechada. E o propósito final, qual é, porque parece-me que não é, unicamente, dar a conhecer o que se passou, sinto que é algo muito maior. É mostrar às pessoas que temos o poder. É importante que as pessoas percebam que nós somos os atores da nossa própria história. Não existe destino. Não existe fado assegurado. Nós temos na mão o que vamos fazer com este país. Esta noção, que é iluminista, é absolutamente fundamental. Fundamental.

http://www.cm-oeiras.pt/pt/municipio/boletimmunicipal/30dias/217_TRINTA%20DIAS_2019_web.pdf

Imagem1

The State and revolution

Caros amigos, colegas, ao interessados em história.

My new article in open access The State and revolution in the West: the case study of the Carnation Revolution
O meu novo artigo, acesso livre aqui Estado e revolução no Ocidente: estudo de caso da Revolução dos Cravos

THE PORTUGUESE REVOLUTION and workers control

Now in open access

THE PORTUGUESE REVOLUTION, the process popularly known as the “Carnation Revolution” that lasted from 25 April 1974 to 25 November 1975, took place against a backdrop of military humiliation in defeat by peasant guerilla movements in the Portuguese colonies of Guinea-Bissau, Angola and Mozambique. However, an analysis of four distinct types of social conflicts-strikes; demonstrations; occupations of factories, other workplaces, and public services; and occupations of vacant houses – suggests that class struggle within Portugal was the essential dynamic of the Revolution. Revolution came to Portugal through an active workers’ movement against fascism within the context of a global economic crisis. Working people had decided it was time for democratic change.

http://www.lltjournal.ca/index.php/llt/article/view/5760/6621

 

A história ofuscada pelo acaso: Rui Ramos e a Revolução de Abril como «um golpe de generais»

 

A consolidação do regime democrático-representativo a partir de 1982-86 e o abandono de projetos estratégicos de rutura, que só sobrevivem na extrema marginalidade, abraçados por grupos à esquerda do Partido Comunista Português, teve um impacto substancial na discussão historiográfica sobre a revolução. O senso comum não deixou de ter um efeito significativo sobre a academia, que deixou de analisar a revolução como um processo com o seu tempo e forma e passou a analisá-la a partir da situação de consolidação do regime democrático liberal. Assim, a revolução portuguesa não só deixou de ser alvo de uma discussão teórica, que não se aprofundou, como passou inclusive, em alguns setores, a ser submersa pela memória dos vencedores, que obscureceram a revolução numa vaga noção de «caos» e tentaram sobre ela erigir a teoria da passagem da ditadura à democracia representativa sem um salto revolucionário. Fenómeno que se revelou no próprio abandono do conceito de revolução e na adopção do conceito de transição para a democracia. A mais radical, mas não única[1], interpretação da revolução como «caos» foi recentemente escrita por Rui Ramos[2].

As quase 40 páginas que o historiador Rui Ramos dedica à história do 25 de Abril na História de Portugal por si coordenada são marcadas essencialmente não pelo seu conservadorismo mas por uma narrativa que escolhe, com precisão cirúrgica, o acaso, o singular, o superficial e os torna testemunhos de uma tese implícita.

Vejamos alguns exemplos desta aleatoridade: sobre a participação popular no dia do golpe, a 25 de Abril de 1974, há um único testemunho, o de alguém que «não sabia o que estava ali a fazer». Para exemplificar o dia a dia de um militante de base durante aquele período, há um testemunho, o de um membro do PPD, partido que, recordemos, não existia quando do golpe. O PS era um pequeno núcleo de quadros, constituído em partido apenas em 1973 e o PCP e o conjunto da chamada extrema-esquerda teriam algo em torno de 3000 militantes cada. O PPD forma-se paulatinamente, a partir da antiga Ala Liberal da Assembleia Nacional marcelista, juntando as ‘forças vivas’ locais que não estavam demasiado comprometidas com o regime, e os seus membros não eram então representantes típicos de um militante do período.

O único testemunho que há da reforma agrária citado é o de um militante francês que diz que visitou uma cooperativa e «o trabalhador sente-se muito mais preso, condicionado, numa estrutura coletiva hoje do que antes na estrutura hierarquizada do patrão»[3], quando os testemunhos e as análises históricas com investigação deste processo – Fernando Oliveira Baptista[4], Constantino Piçarra[5], entre outros – dão conta, dentro de enormes dificuldades, é certo, da pressão dos trabalhadores para ocupação de terras para garantir trabalho o ano inteiro (e não menos de 200 dias por ano como no Estado Novo) e de uma dedicação às cooperativos que mobilizou milhares de horas de trabalho voluntário. Nesta «não revolução mas caos» dominada por generais também os militantes dominavam e manipulavam as assembleias. Exemplos? A Lisnave. Justamente o caso – um dos mais estudados de todo o processo, nos trabalhos, por exemplo, de Fátima Patriarca[6] e Marinús Pires de Lima[7] – em que se funcionava em plenário quase permanente e votação de braço no ar, por plenários em que muitas vezes o PCP foi contrariado (11 de setembro de 1974), e noutras a extrema-esquerda ficou em minoria perante o volte-face da assembleia (7 de fevereiro de 1975).

A teoria está aparentemente ausente da obra. Sucedem-se acontecimentos sem teoria, como se a ciência fosse a aparência com que os factos se apresentam, uma narrativa. Multiplica-se, em estilo pós-moderno, uma seleção e uso indiscriminado desses factos, como se a ciência não tivesse essência.

A tese central do capítulo de Rui Ramos é que a revolução começa por ser um golpe de generais com ambições políticas, usurpada por capitães que transformaram Portugal naqueles 19 meses num palco da guerra colonial, controlando Portugal como faziam na mata, fazendo ações psicológicas (campanhas de dinamização) sobre a população. A sucessão de acontecimentos da Operação Fim de Regime dá a entender que tudo estava sob controlo do regime – posto em causa «por generais com ambições próprias». As forças do MFA entraram em Lisboa, o povo não sabia do que se estava a passar nem quem estava a apoiar e 400 profissionais da GNR, se tivessem querido, teriam derrotado o MFA[8]. Rui Ramos defende que a impossibilidade de continuar a guerra foi uma opção dos generais, tendo aqui as ambições políticas jogado um papel fundamental[9]. As campanhas de dinamização do MFA têm a sua origem, nesta narrativa de Rui Ramos, na forma como era feita a guerra em África, uma guerra de campanha centrada nos capitães e com ação psicológica. O 25 de abril seria uma revolução de capitães com ações de dinamização.

Admite Rui Ramos que o MFA se transformou em «força dirigente do Estado»[10], mas, perguntamos nós, como acontece isso se os generais eram tão poderosos? Se o processo revolucionário se caracteriza pela manipulação das “massas”, e quer os generais quer os capitães estavam no controlo (e manipulavam) da situação, não se percebe porquê Marcelo Caetano, sitiado, com um cabo à sua frente, pede por favor para entregar o poder “pelo menos a um general”, o qual, aliás, será varrido do Governo cinco meses depois e expulso do País em março de 1975.

O facto de só dois generais terem ‘participado’ no golpe não se opondo a este, terem sido ultrapassados pelo MFA, ficando o País a conhecer as divergências entre Spínola e o MFA na própria noite de 25 para 26 de abril é irrelevante para o autor. A seguir ao 25 de Abril, os oficiais superiores e generais que tinham prestado homenagem a Marcelo Caetano em março, no famoso episódio da «brigada do reumático», são enviados para a reserva.

É sabido que a interpretação depende dos factos e a seleção destes, da interpretação. É conhecido também que a história coloca, com base em teorias e metodologias, limites a esta relação – não foi a URSS que invadiu a Alemanha, foi a Alemanha que invadiu a URSS; não foram chineses que desembarcaram na Normandia, foram americanos, ingleses, franceses, canadianos… Eric Hobsbawm[11], num conhecido ensaio, desconjunta esta elasticidade pós-moderna que não vê limites à utilização dos factos.

Escreve Rui Ramos que «a Junta aboliu a censura, extinguiu a DGS, cujos agentes foram detidos em massa (em julho, estavam presos cerca de 1000), libertou os presos políticos (85 no Forte de Caixas e 43 no de Peniche), e suprimiu a ANP, a Legião e a Mocidade»[12].

Houve muitos acontecimentos naqueles dias que dependeram da Junta ou por ela foram fortemente influenciadas (composição do Governo, ida de Caetano e Tomás para o exílio) e houve outros que, embora na aparência tenham tido a atuação da Junta, não dependeram dela. O que aconteceu foi que em alguns destes acontecimentos a JSN decretou sobre um facto contra o qual ela estava, provavelmente por ponderar que a relação de forças entre as várias frações sociais não lhe era favorável. A população destruiu a sede da censura e obrigou, sob protesto popular e dos próprios presos[13], à libertação destes na sua totalidade. E depois, na Madeira[14], o povo manifestou-se publicamente contra Tomás e Caetano, forçando a saída destes mais rápido da ilha. Nos casos citados por Rui Ramos, a JSN nada fez sobre o que já estava feito. No caso de Caetano e Tomás, a Junta conseguiu ser preponderante, deixando ambos sair do País sem julgamento.

Afirma Rui Ramos que «O Estado arrogara-se o poder de substituir as direções de empresas privadas»[15]. Imaginamos, porque o texto neste campo se limita a esta frase, que o autor se esteja a referir à intervenção do Estado nas empresas. Na verdade, o Estado inicialmente opõe-se à maioria das ocupações, e muitas vezes os próprios sindicatos também. O Estado chega a enviar militares para as impedirem e, perante a sua inevitável generalização, fruto da descapitalização de empresas e da consequente ameaça de despedimento, o Estado homologa um decreto de intervenção[16], o DL 637/74, de 20/11.

Escreve Ramos que o povo no dia 26 abril participa do processo, porém a 25 desconhecia o que se passava. Concordamos com o autor quando diz que o processo do golpe é um processo essencialmente militar, com origem no regime. Portanto não resultou, como afirmava o PCP, de um «levantamento nacional de massas»[17] devido ao atraso do País, mas de uma crise dentro da direção do regime, provocada pela derrota na guerra. Porém, é indiscutível que a participação popular é imediata e começa logo a 25 de Abril, e esse facto não pode ser iludido pelo testemunho de um transeunte que «não sabia o que se estava a passar».

O primeiro comunicado das forças armadas é pouco antes das 4 da manhã da noite de 24. Seguem-se 10 comunicados do MFA[18], quase de duas em duas horas, a pedir ao povo «para ficar em casa». As ordens não são acatadas. No Quartel do Carmo, onde há milhares de pessoas, bem como em todas as ruas de Lisboa, nem os pedidos de Salgueiro Maia, nem os de Francisco Sousa Tavares fizeram a população, no dia 25, desmobilizar. Haverá mesmo disputas com o Ministério do Trabalho para que não sofram represálias os milhares de trabalhadores que não vão trabalhar no dia 25 de Abril porque, nesse dia, estiveram em manifestações ou simplesmente nas ruas a celebrar a liberdade.

Ramos escreve que a GNR poderia ter evitado o golpe. É um exercício com perigos para os historiadores – o contrafactual. «Se» e o que «teria acontecido» é especulativo. O facto é que a GNR não resistiu. Porquê? Os documentos que temos indicam que esta considerava que resistir era um ato destrutor. No dia 25 de Abril os rádios intercetam uma conversa da GNR. Por volta da uma da tarde, os militares da Guarda queixam-se de que: «Estudantes e rapazes estão a atingir à pedrada as nossas forças (…) temos urgentemente de tomar providências.» Às 15.35: «Estamos completamente cercados. (…) Deram-nos 10 minutos de ultimato.»[19]

Afirma Ramos que entre «agosto e dezembro de 1975, foram ocupadas 3311 herdades, equivalentes a 19% da superfície cultivada nacional – mas atingidos apenas 1000 proprietários» e que o pagamento de salários tinha sido garantido em maio[20]. Acrescenta que não havia nenhuma «classe faminta»[21]. Considerará Rui Ramos que há aqui um salto histórico crítico, analisado nos meus trabalhos e nos do historiador Constantino Piçarra? Entre agosto e dezembro há dois governos: um de militares ligados à esquerda militar (o PCP, como procurei demonstrar, tem uma posição muito dúbia face a este Governo) que dura de facto duas semanas; e outro com uma composição dominada pelo PS e pelo Grupo dos Nove. Quem libertará as verbas para pagar salários abrindo espaço à maior ocupação de terras de todo o período é o VI Governo, dominado pelo PS, e não o V Governo. Estas verbas serão libertadas, certamente também sob pressão do PCP, mas por um ministro, Lopes Cardoso, próximo do PS e não do PCP. No dia 17 de outubro, um despacho do secretário de Estado da Estruturação Agrária dota os centros regionais da reforma agrária de uma verba de 25 mil contos para assegurar a atividade produtiva dos membros das unidades de produção geridas pelos trabalhadores em vias de legalização e a 29 de outubro é publicado esse despacho.

O historiador defende, na esteira da tese da revolução dominada por militares, que «A hierarquia dos partidos foi determinada pelos militares»[22]. A afirmação é, na minha opinião, totalmente, incompreensível, pelo menos em relação ao partido que estudei a fundo, o PCP. A liderança do Partido Comunista mantém-se totalmente inalterada, com o imobilismo da direção – uma direção altamente respeitada pelos anos de resistência na clandestinidade – a ser uma marca do partido no processo. Cunhal comanda o partido, mas afasta-se sempre dos lugares chave dos ministérios (fica ministro sem pasta) para procurar evitar a responsabilização do partido por medidas altamente impopulares como a aprovação de uma lei restritiva do direito à greve ou um salário mínimo abaixo do exigido pelos trabalhadores.

Sobre o PCP, o autor afirma ainda que este partido tomara a dianteira na ocupação de sindicatos e autarquias. Isso de facto aconteceu em muitos sindicatos e autarquias. Mas, muitos outros, que determinaram situações disruptivas para o Estado, eram desde 1968-1970 dirigidos ou tinham uma forte influência de militantes do MES, católicos progressistas, MRPP e grupos ML que iriam dar origem à UDP (metalúrgicos, têxteis, TAP, CTT, TLP, Carris, Lisnave, entre outros).

Os partidos atuam mais como atores institucionais do que sociais[23], segundo Rui Ramos. Isto não explica como é que um partido, o PCP, passa de 3 mil para 100 mil militantes no espaço de um ano, e o PS passa da quase inexistência para uns 80 mil. A forte disputa institucional entre ambos os partidos pelo controlo do Estado teve sempre uma ancoragem social clara – no caso do PS a seguir às eleições, no caso do PCP a Intersindical. Como historiadores temos de explicar que forças sociais subterrâneas, e não meramente institucionais, levam a que em nove meses se tenham constituído 50 partidos políticos[24], ao todo mobilizando centenas de milhares de militantes (que participam, pagam quotas, organizam), como o próprio Ramos admite, e que quase todos tenham «democracia» e «socialismo» no nome, nenhum reclamando a direita, e a própria direita designando-se social-democrata (PPD) ou democrata social (CDS)? É este um quadro de partidos com escasso apoio social, dominados por militares?

Ramos argumenta que a classe trabalhadora está ausente da revolução, a não ser como sujeito passivo. Para tal usa, paradoxalmente, uma classificação classista do MFA: conclui que a maioria dos 730 oficiais que assinaram o documento do MFA não era de origem proletária, mas sim do meio rural, a maioria vinham da Academia Militar (93%), 80% eram capitães ou majores: «A explicação, portanto, não está na origem social, mas numa experiência histórica: o comando das tropas na guerra e a revolta corporativa de 1973.»[25] Ramos procura justificar a alegada ausência da classe trabalhadora também pela origem social dos candidatos, uma vez que só 14% seriam operários[26].

Isso significa que este sujeito social não teve existência? A pergunta é quase estapafúrdia. Ramos ignora, na nossa opinião, que 1) a classe trabalhadora não se resume ao setor operário industrial. Esta definição, profundamente influenciada pela experiência soviética e pelo Partido Comunista – e uma noção que perdurou em Portugal para justificar a divisão entre centrais sindicais – é uma definição de agrupamento sócio-profissional e não de classe; 2) na definição de classe usa-se uma série de variáveis que dizem respeito ao lugar e posição de trabalho, origem social, rendimentos, organização política, etc., e é uma noção complexa porque inclui também frações de classe; 3) finalmente não concordamos com o autor em retirar das eleições essa ilação. A maioria dos votantes são da classe trabalhadora e votam em programas (incluindo o do PS) que achavam que defendiam o socialismo, o direito ao trabalho, etc. Não há, finalmente, uma ligação mecânica entre a força social de uma classe e a sua força eleitoral. Basta pensar que 70 000 donas de casa das Beiras têm muito mais força eleitoral que 7000 operários da Lisnave, mas estes determinaram coisas tão importantes como – para dar apenas um exemplo – a não aplicação da lei da greve a nível nacional, com um efeito de arrastamento para quase todos os restantes trabalhadores em Portugal.

Esta visão de uma classe trabalhadora manipulada surge no seio de uma narrativa onde a classe trabalhadora tem um espaço exíguo. A única vez que Ramos se refere às comissões de trabalhadores é para defender que foram multiplicadas pela extrema-esquerda como reação à ocupação dos sindicatos pelo PCP[27]. Não é factual. As CTs nascem de forma espontânea – não são fruto de uma estratégia reativa ao PCP, antes florescem nos dias a seguir ao golpe porque nos locais de trabalho quase não existiam outras estruturas e os trabalhadores começam a reunir-se em plenários e a votar de braço no ar e precisam de mandatar alguns dos seus para levar avante as suas decisões e reivindicações. Fizemos referência às centenas que nascem logo nos primeiros dias a seguir à revolução de forma inorgânica.

Cremos que Rui Ramos confunde revoluções com quarteladas, e se seguirmos o que propõe não há diferença real e conceptual entre a revolução de abril e os golpes que nela tiveram lugar, porque tudo aparece como parte de um processo em que indivíduos, mas só indivíduos muito particulares, têm o poder de pôr e dispor a história.

Se forma e conteúdo correspondessem, o mundo científico era dispensável. A narrativa de Rui Ramos faz-se de decretos, decisões, conversas entre dirigentes do 25 de Abril, estando afastada qualquer tentativa de perceber, usando balizas na documentação, qual foi o movimento das classes em confronto, até porque nesta história a classe trabalhadora só existe enquanto sujeito passivo, alvo de manipulação e de «campanhas de ação psicológica do MFA».

Não existe a noção de que nos processos revolucionários se gera uma situação de dualidade de poderes. E assim, vemos afirmações contraditórias como «os quartéis tinham-se transformado em pequenos parlamentos»[28] na mesma frase onde se defende que os militares puseram em causa a democracia, numa revolução dominada por generais com projetos políticos falhados, mas onde vigorava a ausência de disciplina militar porque os quartéis, precisamente, se tinham tornado «pequenos parlamentos».

Neste capítulo do livro dedicado à história do 25 de Abril no quadro da História de Portugal, não há caracterizações de governos, Estado ou regime, tudo aparece diluído, não há sujeitos sociais, nem respetivas frações. Ramos vai mais longe do que a historiografia liberal, que oculta as classes sociais nos partidos, na Igreja, na direção do MFA. Desta história desaparecem todos para emergirem as personagens: é assim que as greves são remetidas a duas notas, mas as longas disputas entre Spínola e Kaúlza de Arriaga ocupam várias páginas.

Nesta narrativa procura-se ainda dar ênfase a uma suposta repressão ancorada numa certa noção de «caos»[29] e arbitrariedade estatais. Ramos não discute o regime, o Estado e os governos. Mas considera que há um «poder revolucionário»[30] que é responsável por 10 mil «refugiados políticos». «Tudo acabou por volta das 18h. Nenhum militar foi morto ou ferido. As únicas vítimas caíram diante da sede da DGS, quando, por volta das 20h, uma multidão de 600 ‘jovens manifestantes’ se aproximou, e os agentes reagiram a tiro, provocando quatro mortos. Por sua vez, a tropa matou um agente da DGS pelas costas.»[31]

Uma seleção avulsa de factos – desvinculados do seu contexto geral, social, e sem qualquer hierarquia na seleção – permite a Rui Ramos acentuar na narrativa a violência, que em absoluto, e comparando com outros processos revolucionários, foi escassa na revolução portuguesa (embora não faltasse do outro lado da revolução, nas colónias).

Mas em termos relativos a violência da revolução de 1974 e 1975 está do lado da direita e da coligação PS/Grupo dos Nove/Igreja. Ramos destaca a violência de esquerda, o pide «morto pelas costas» e um tipo que no 11 de março pôs em «dúvida a violência do ataque e foi morto»[32]. Resumindo, eis as características da violência na revolução portuguesa:

1) Uma grande ausência de violência, na metrópole, justamente devido à crise do Exército.

2) A violência que se exerce é muitas vezes sobre trabalhadores, repressão de greves, e mesmo prisão de militantes como os do MRPP e da AOC depois de 11 de março de 1975 e também de um pequeno partido de direita.

3) É verdade que um pide é morto, mas dezenas “fogem” da cadeia, com a complacência das autoridades, e a maioria não sofrerá qualquer pena significativa.

4) Uma revolução em que a violência mais grave ficou marcada, no Verão Quente, pela violência de direita, com o silêncio cúmplice do PS e da Igreja, contra os sindicatos e os partidos de esquerda. Segue-se um Governo, o VI, marcado por atos como a destruição à bomba dos emissores da Rádio Renascença e a criação do AMI, uma força especial de repressão.

5) Finalmente, a escassa violência verifica-se também na ausência de julgamento para a maioria dos quadros do regime do Estado Novo, muitos dos quais, incluindo generais com um papel criminoso na guerra, têm como pena a «reforma compulsiva antecipada». Ao contrário de alguns militares de esquerda e extrema-esquerda, que passaram por um longo processo até conseguirem a amnistia.

A violência, mesmo assim limitada, que existiu em 1974-9175 foi exercida mais sobre a esquerda do que sobre a direita[33].

Se é verdade que existiram formas semibonapartistas, quer por parte do PCP e de militares ‘amigos’ no IV Governo, quer por parte do PS e militares a ele afetos no VI Governos (saneamentos políticos – não os económicos feitos no início pelas CTs), o controlo da comunicação social, a repressão realizada por ambos os governos refletiam uma pressão destes aparelhos pelo controlo do Estado e não a tentativa de instauração de um modelo ditatorial, que quando existiu de facto, por parte da burguesia apoiada em Spínola, foi amplamente rejeitado por toda a população e também por estes partidos. Mas esse controlo do Estado foi amplamente evitado pela democracia de base dos órgãos de ‘poder popular’, que rejeitaram em processos de luta a repressão sobre os CTT, a militarização da TAP e do sindicato dos químicos, a lei corporativa da greve, defendida por PCP e PS, lutaram contra prisões à esquerda, rejeitaram a repressão de manifestações (Lisnave, Intercomissões, Comité de Luta de Setúbal), uma parte dos partidos de extrema-esquerda condenou a ilegalização do MRPP e da AOC (mas não rejeitou a ilegalização de dois partidos de extrema direita, o Partido do Progresso e o Partido Liberal. A evidência empírica é que ao fim de muitas tentativas de tentar controlar, por exemplo, a comunicação social, o VI Governo toma a decisão de rebentar à bomba os emissores de uma rádio; e o Governo entra em greve, depois de sequestrado pelos operários da construção civil, quando tinha acabado de constituir o AMI, uma força de repressão de elite. Houve utilização política do aparelho de Estado por parte do PS e do PCP, uns contra os outros, consoante a relação de forças – isso por si só não define se um regime é ditatorial ou democrático representativo. Não havia um poder de Estado estável, muito menos um poder ditatorial: todas as liberdades estavam, como nunca na história de Portugal, amplamente asseguradas. Curioso, em jeito de nota final, que se utilize a palavra «caos» para falar da revolução, mas não se use expressão equivalente para falar de um regime envolvido numa guerra colonial, com salários baixos, miséria generalizada, padrões de saúde subdesenvolvidos, polícia política, censura, e que tinha forçado 1 milhão e meio de pessoas a emigrar. Isso é o quê: «ordem»?

O momento repressivo mais bem sucedido de toda a revolução foi o golpe que iniciou a contrarrevolução, que deu origem à prisão, durante vários meses, de mais de 100 militares.

A narrativa de Rui Ramos não tem densidade histórica. Ela insere-se num quadro teórico que tenta associar o “PREC” a um momento de caos, desordem e repressão, quadro esse que só pode ser construído na base da eliminação de factos. A história de um povo que se organiza em comissões de trabalhadores, de moradores, de soldados, a profunda democracia de base que leva o primeiro-ministro Pinheiro de Azevedo, desesperado antes do golpe de 25 de novembro, a dizer que tudo tinha que passar «por plenários» é substituída por uma história de grandes figuras militares culpadas de manipular todo um povo que não é sujeito histórico da sua vida.

Publicado In Varela, Raquel, História do Povo na Revolução Portuguesa, Lisboa, Bertrand, 2014 e republicado in Varela, Raquel, «A História Ofuscada pelo Acaso, Rui Ramos e a Revolução de Abril como um «golpe de generais», In Silva, Carla Luciana, Soutelo, Luciana, Luís, Rita, A revolução de 1974-75: repercussão na imprensa internacional e memória(s), Lisboa, Instituto de História Contemporânea, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Dezembro de 2014, pp. 155-163, ISBN: 978-989-98998-0-3.

[1] Ver Varela, Raquel (coord), Revolução ou Transição. História e Memória da Revolução dos Cravos, Lisboa, Bertrand, 2012.

[2] Ramos, Rui (coord.), História de Portugal, Lisboa, Esfera dos Livros, 2009.

[3] Ramos, Rui (coord.), História de Portugal, Lisboa, Esfera dos Livros, 2009, p. 731.

[4] Baptista, Oliveira, Portugal 1975. Os Campos, Porto, Afrontamento, 1978.

[5] Piçarra, Constantino. As Ocupações de Terras no Distrito de Beja. 1974-1975. Coimbra: Almedina, 2008.

[6] Patriarca, Maria de Fátima. «Operários Portugueses na Revolução: a Manifestação dos Operários da Lisnave de 12 de setembro de 1974». In Análise Social. Lisboa: ICS, Vol XIV, 1978.

[7] Lima, Marinús P. “Relações de Trabalho, Estratégias Sindicais e Emprego (1974-90)”. In Análise Social, n.º 114, 1991, pp. 905-943.

[8] Ramos, Rui (coord.), História de Portugal, Lisboa, Esfera dos Livros, 2009, p. 712.

[9] Ramos, Rui, Ibidem, pp.706-707.

[10] Ramos, Rui Ibidem, p. 721.

[11] Hobsbawm, Eric, Sobre História, São Paulo, Companhia das Letras, 1998.

[12] Ramos, Rui (coord.), História de Portugal, Lisboa, Esfera dos Livros, 2009, p. 713.

[13] Diário Popular, 2 de maio de 1974, p. 28.

[14] Diário Popular, 2 de maio de 1974, p. 28.

[15] Ramos, Rui, Ibidem, p. 729.

[16] Lopes, José da Silva, A Economia Portuguesa desde 1960, Lisboa, Gradiva, 1999, p. 173.

[17] Ver sobre isto Varela, Raquel, A História do PCP na Revolução dos Cravos, Lisboa, Bertrand, 2011.

[18] Os Comunicados do 25 de Abril. CD25A. In http://www1.ci.uc.pt/cd25a/wikka.php?wakka=mfa1 consultado a 7 de março de 2012.

[19] República, 26 de abril, p. 10.

[20] Ramos, Rui (coord), História de Portugal, Lisboa, Esfera dos Livros, 2009, p. 730.

[21] Ramos, Rui. Ibidem, pp. 729-730.

[22] Ramos, Rui (coord.), História de Portugal, Lisboa, Esfera dos Livros, 2009, p. 724.

[23] Ramos, Rui, Ibidem, p. 724.

[24] Ramos, Rui, Ibidem, p. 723.

[25] Ramos, Rui, Ibidem, p. 722.

[26] Ramos, Rui, Ibidem, p. 730.

[27] Ramos, Rui, Ibidem, p. 731.

[28] Ramos, Rui, Ibidem, p. 721.

[29] Ramos, Rui, Ibidem, p. 714.

[30] Ramos, Rui, Ibidem, p. 732.

[31] Ramos, Rui, Ibidem, p. 712.

[32] Ramos, Rui, Ibidem, p. 728.

[33] Cerezales, Diego, Portugal à Corunhada. Protesto Popular e Ordem Pública nos séculos XIX e XX, Lisboa, Tinta da China, 2011.

A revolução dos Cravos

Deixo aqui a referência dos livros que publiquei sobre a revolução dos cravos. E também, em acesso livre na Internet, alguns artigos académicos que escrevi sobre a revolução, bem como um conjunto de resenhas sobre os livros, para quem estiver interessado. 3 dos livros são obras colectivas.
Greves, Direitos Laborais e Direitos Sociais na Revolução dos Cravos
http://www.e-publicacoes.uerj.br/…/artic…/viewFile/7566/5502
“Um, dois, três MFA…”: o Movimento das Forças Armadas na Revolução dos Cravos – do prestígio à crise
http://www.scielo.br/pdf/rbh/v32n63/19.pdf
MOVIMENTOS SOCIAIS NA REVOLUÇÃO PORTUGUESA
http://historiadelpresente.es/…/files/con…/pdf/38/varela.pdf
“Primeiro Fazem-se Plenários e Depois é que se Cumprem as Ordens” Crise Político-Militar na Revolução dos Cravos
http://www.uss.br/…/v13n12011/pdf/001_primeiro_fazem_se_ple…
O 25 de Abril, a Espanha e a História´
http://analisesocial.ics.ul.pt/…/1218723890G5eWH3fu3Yr67BM1…
http://www.ifch.unicamp.br/…/arquivo…/resenha166resenha3.pdf
http://www.ipri.pt/publicaco…/revista_ri/…/RI34_Rec03_CC.pdf
http://www.historia-actual.org/…/…/article/viewFile/1110/964
https://periodicos.ufsc.br/…/…/1984-9222.2014v6n11p283/28611

1507-1

bdw-band15-titel

O fim das dita

image

image

1614_big

The Historiographical Debate on the Meaning of the Carnation Revolution 1974-1975

  • VARELA, Raquel, “The Historiographical Debate on the Meaning of the Carnation Revolution 1974-1975”, In Берегиня. 777. общество, политика, экономика. Научный журнал, Coba, nº 1, 2014, pp. 168-186. PDF here in this link Raquel Varela-2