Ranking da demagogia

Deixemo-nos de demagogia, que cresce fértil no país, e será cada vez pior com a promoção da ignorância a que assistimos. Uma escola que está no fim do ranking não fez um bom trabalho porque “pelo menos os alunos comem, e não andam no tráfico de droga”. A escola é um lugar para educar e transmitir o pensamento científico às novas gerações. Não é uma cantina, um depósito de crianças, nem um departamento da assistência social. O professor é um educador, não é um mediador, nem um cuidador, nem um animador cultural. Uma escola com média de 1,7 em 20 é um lugar onde os alunos são analfabetos funcionais. Contra a direita segregadora que defende a lei da selva, uma parte da esquerda, com responsabilidades governativas, resume a sua política cada vez mais à defesa do Estado Assistencial em vez do Estado Social, universal, de qualidade. O direito à educação plena é basilar de uma sociedade democrática. Que andemos a discutir no século XXI que “pelo menos eles comem” não é um sintoma de boas políticas do governo, é a confissão do seu falhanço total. Estas escolas servem para produzir mão de obra para limpar centros comerciais às 4 da manhã por 2 euros e meio à hora e serventes de pedreiro. Há bolsas delas nas periferias e, sempre, não muito longe, de centros comerciais gigantes. É preciso parar para pensar em vez de embarcar em discursos bonitos. Estas crianças têm uma marca de pobreza, que a escola, assim, ajuda a reproduzir, em vez de ajudar a inverter. Discursos de bondade não só não resolvem como ocultam o drama da opção de fazer da escola não o lugar do conhecimento para todos mas a linha de montagem para o mercado de trabalho. A escola pública ou luta por ser de qualidade para todos, universal, ou o pagamento de impostos não tem qualquer retorno justo. Não acho que os rankings são a solução, mas afirmar que uma escola com estas médias, por critérios relativistas acientíficos, estaria no topo dos rankings é pura demagogia.

2 thoughts on “Ranking da demagogia

  1. Pingback: Ainda a demagogia dos rankings | Escola Portuguesa

  2. Mais um texto assertivo.
    Muitos há que não gostam do que a Raquel Varela opina. É legítimo. Mas penso que a razão deve-se ao seguinte postulado: A partir de um determinado nível, a assertividade mais parece arrogância e prepotência. Tal é a precisão das palavras.
    Com este modelo de gestão, os diretores são políticos e com eles a escola passou a funcionar de acordo com critérios que não o pedagógico. É ouvi-los perante a comunidade educativa a dizerem que a escola mata a fome a muitos alunos (como se a escola existisse para esse fim), que a escola apresenta uma taxa de 0% no abandono escolar (mas não dizem que o conseguem porque decidiram aguentar condutas delinquentes de muitos dos alunos para assim não andarem a fazer asneiras lá fora, ou justificar as faltas que vão muito para além do considerado no estatuto do aluno), que a escola apresenta muito sucesso escolar (mas não dizem que o conseguem porque passam alunos com médias abaixo de 10% a várias disciplinas), … Anos a fio a construir o sucesso escolar sem fundações e sempre à custa da saúde dos professores que sofrem na pele uma pressão enorme vinda de todos os lados.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s