Grande Entrevista, Revista História JN

Entrevista com Raquel Varela, Revista História JN, Dezembro de 2018.

“Temos um governo de esquerda, mas não dos trabalhadores”

 

Texto de Pedro Olavo Simões

Fotos de Orlando Almeida / Global Imagens

Entramos numa casa com vida, logo as bicicletas pousadas atrás da porta o sugerem, e passamos à cozinha, onde Raquel Varela prepara um revigorante café coado em filtro de papel, influência do marido brasileiro. Nos armários dessa divisão, vemos um retrato de Karl Marx fazendo o V de vitória, que não fez na realidade, mas também um quimérico D. Quixote e autocolantes vários, de sindicatos, de lutas laborais, de contestação à guerra. Na sala, onde decorre a conversa, a historiadora tem livros, imagens do povo no 25 de Abril, aconchego. Um piano vertical sugere sonoridades serenas, mas também festivas. O pianista é um dos filhos, mas também ela, admite, vai resgatando aos dedos o que aprendeu quando jovem, encontrando ali forma de se libertar. Faltou a ousadia de lhe pedirmos que tocasse, ficou a entrevista sem banda sonora.

Li ontem uma entrevista do psicólogo e académico canadiano Jordan B. Peterson, em que este afirmava que as universidades estão cheias de radicais de esquerda. A Raquel Varela é uma radical de esquerda?

Acho muito perigosa a ideia, que se tem generalizado, de que estamos perante o perigo dos radicalismos. Lembra-me o Estado Novo, quando se referia aos movimentos de libertação e à oposição à ditadura como subversivos. Essa noção não tem qualquer sustentabilidade histórica, porque apoia-se na ideia de que a democracia é o fim da história e de que, opostas à democracia, há duas ideologias totalitárias. O totalitarismo é uma análise interessante sobre o período da década de 30, particularmente na comparação entre a Alemanha e a União Soviética, mas essa comparação é limitada. Diz que os regimes hitleriano e estalinista são ditaduras, e é verdade, mas, do ponto de vista do Estado, os estados nazi, americano ou inglês eram capitalistas. Ou seja, do ponto de vista do regime podemos comparar a União Soviética com a Alemanha nazi, mas do ponto de vista do Estado podemos comparar a Alemanha nazi com os EUA ou a Inglaterra. Estarmos a reduzir sociedades extremamente complexas a uma palavrinha, para meter tudo no mesmo saco, não tem substância histórica nem permite analisar a realidade.

Porquê?

Primeiro, não nos permite analisar que a Revolução Russa foi uma enorme esperança para a humanidade, mas o seu isolamento, num país atrasado, levou à degeneração do estalinismo, indefensável como projeto civilizacional. Mas, o nazismo não é obra de um louco. É o desespero da burguesia alemã face à crise de 29, tanto que Hitler é apoiado pelas grandes empresas alemãs, como a Volkswagen ou a IG Farben. Também podemos fazer outro tipo de comparações. Ao mesmo tempo que, na URSS, se estava a dar a coletivização forçada estalinista, estava-se a dar a destruição total dos pequenos camponeses pelo colapso do crédito bancário nos Estados Unidos. Sou e sempre fui ideologicamente opositora à ditadura de Estaline. Acho que esta, aliás, ergueu-se contra a revolução bolchevique, O Estaline manda matar praticamente todos os membros do comité central do partido bolchevique. Agora, isso não pode ser desvinculado de compreender o que se passava no mundo. Estaline também não é, ele próprio, um louco. É o isolamento da Revolução Russa. Essa é que é a explicação essencial, pelo que não se pode acusar a revolução desse processo. Precisamos de conceitos mais complexos para analisar as questões.

A ditadura, para o fascismo ou para o comunismo, surge como desvio da ideologia ou é inerente à própria ideologia?

É uma pergunta muito interessante. Eu tenho refletido sobre isso muito tempo. As ideologias não têm pés, quem lhes dá pés é a história, e a história é feita por homens. Portanto, qualquer ideologia corre o risco de ser utilizada pondo em causa a liberdade, ou a igualdade, ou princípios fundamentais da humanidade.

O risco de tropeçar na natureza humana?

Já lá vou. Mas não quero esquecer isto: não podemos, a partir daí, equalizar as ideologias, porque a ideologia fascista, objetivamente, é um projeto político de uma parte da sociedade contra a outra, que pressupõe a eliminação desta, e a ideologia socialista é de igualdade e de liberdade. Os riscos que todos corremos, na sociedade, não podem eliminar as diferenças entre ideologias. A natureza humana é uma boa questão. Os historiadores gostam de acreditar que não existe natureza humana, só existe história e nós fazemos da história o que queremos. Não acho que seja bem assim. Faz parte da natureza humana a realização de necessidades básicas. Antes de sermos homens, somos animais e, quando a nossa sobrevivência é ameaçada, temos comportamentos que remetem à brutalidade, com o intuito de sobreviver. Um animal ameaçado ou entra em pânico, e não se mexe, ou foge, ou então ataca. Por isso é que não pode haver socialismo na escassez. O socialismo pressupõe abundância.

Daí o fracasso da experiência soviética?

Sem dúvida. Para mim, esse fracasso deve-se não à natureza humana, mas à natureza histórica da União Soviética. Lenine disse-o: “Coube-nos o infortúnio de tomar o país no país mais atrasado”. É fácil de perceber que sem a revolução alemã, sem o domínio de máquinas ou de cientistas, que pudessem produzir em grande quantidade, não havia como alimentar as pessoas, como cuidar das pessoas. Os socialistas tinham projetos maravilhosos, de emancipação feminina, de amor livre, lavandarias coletivas… As lavandarias, a certa altura, era um buraco, no chão, aberto no gelo, para lavar, porque não havia máquinas, não havia meios…

Marx pensou o socialismo como decorrência do esgotamento do capitalismo, e a Rússia nem chegou a entrar no capitalismo…

E a única maneira de lá chegar era com as forças produtivas, – máquinas, cientistas, saber – dos países centrais. Há uma conversa de Trotsky com um elemento do comité central do partido bolchevique, em que este diz: “Camarada, nós já temos socialismo, só nos faltam as vacas para alimentar as crianças”. E Trotsky responde: “Sem vacas não há socialismo”. Temos de alimentar as crianças para podermos dizer que há socialismo. Mas também é preciso perceber por que é que a revolução alemã é um falhanço, porque a teoria do totalitarismo não explica nada. A social-democracia apoiou os governos bonapartistas antes da ascensão de Hitler ao poder. Não apoiou Hitler, mas apoiou os governos bonapartistas, já semiditatoriais, entre eles o que vai levar à nomeação do próprio Hitler. Porquê? Porque a social-democracia tinha mais medo da revolução. A política do terceiro período da União Soviética, da classe contra classe, é um desastre. Mas não se pode esquecer, hoje, quando se fala dos populismos e da ascensão da extrema-direita, que o financiamento de Hitler veio, direta e conhecidamente, das grandes empresas alemãs, que preferiram o suicídio da II Guerra Mundial, para evitar uma Revolução Russa no seu país. É como agora dizer que a culpa do Bolsonaro é do Lula. Não, o Bolsonaro está apoiado por grandes empresas brasileiras, independentemente da culpa que o PT tenha tido, que teve.

Alguém me dizia, há tempos, que as pessoas sacrificam a democracia pela segurança. Esse é o ambiente que está agora a facilitar a afirmação dessas figuras messiânicas?

Perigosíssimas, não é? Por que é que elas existem? Por uma multiplicidade de fatores. A instabilidade, o medo do desemprego… Os nossos problemas são muito graves, mesmo em sociedades estáveis e de grande desenvolvimento. Gerir uma sociedade é uma coisa muito complexa. Por isso é que há um desenvolvimento técnico, até, da própria política. Não é só porque os políticos se tornaram burocratas que vivem apartados dos representados. É porque é complicado gerir uma sociedade, e as pessoas tendem a colocar nas mãos dos outros coisas que elas sentem que não podem resolver. Hoje, temos problemas gravíssimos, como o desemprego ou a falta de mobilidade social. Em 1945, o capitalismo oferecia às pessoas uma época de grande expansão e desenvolvimento . Evidentemente, isso não aconteceu, porque o capitalismo está em permanente crise cardíaca. O maior banco do mundo e a maior empresa do mundo faliram em 2008. Não foi só o socialismo real que faliu. O neoliberalismo faliu. Hoje em dia, nós não teríamos sistema capitalista no mundo se não tivesse sido injetado dinheiro público no sistema financeiro. As pessoas sentem a vida ameaçada, o futuro ameaçado, o futuro dos filhos… Depois, há uma intensificação do trabalho absolutamente brutal, nos países ocidentais, que leva as pessoas a viver sistematicamente em horas extraordinárias, a trabalhar por três, a não ter autonomia, a serem permanentemente vigiadas, inclusive nas profissões intelectualizadas, sem segurança no emprego…

Em nome da produtividade?

É um mito que a insegurança no emprego aumente a produtividade. As pessoas têm medo de inovar quando estão inseguras, desmotivam-se. A cooperação é muito melhor do que a competição para o desenvolvimento da sociedade. Essas questões auxiliam estes movimentos populistas, mas também porque não há uma esquerda com um programa alternativo claro. A esquerda está reduzida a um programa neoliberal de esquerda. O neoliberalismo de direita oferece muita austeridade, o neoliberalismo de esquerda oferece um bocadinho menos austeridade. E a extrema-direita vem dizer: “Nós não temos nenhum plano para a sociedade, mas vamos salvar uma parte das pessoas contra as outras”. Mas há mais do que isso. Por exemplo, a defesa eterna do assistencialismo por parte da esquerda é um erro. As pessoas querem emprego, não querem subsídio de desemprego, e os trabalhadores ficam raivosos, invejosos, quando sentem que estão a pagar impostos para quem não trabalha. Quem não trabalha devem ser crianças, idosos e pessoas doentes. O trabalho que existe deve ser distribuído pela sociedade. Há um sentido de justiça na distribuição do trabalho. Não podemos estar permanentemente a defender a assistência social, até porque a assistência social , no curto prazo, alivia a pobreza, mas aumenta-a no longo prazo, pois não contribui para diminuir as desigualdades sociais. O que contribui para isso é o emprego com direitos.

Em que difere ser de esquerda hoje e há cem anos?

É completamente diferente. Na fundação da Associação Internacional dos Trabalhadores, em 1864, os imigrantes que chegavam eram impedidos de furar greves ou de fazer dumping sobre outros trabalhadores, mas a associação defendia a quotização comum, de greve, dos que ganhavam mais, para que os imigrantes e os estrangeiros que ganhavam menos passassem a ter os mesmos direitos. Neste momento, o que temos é um apelo social-democrata à livre circulação, que é dumping. O trabalhador vai para outro país, ganhar metade, e chamam a isso direitos humanos. Obviamente que os que lá estão sentem o seu emprego ameaçado. O que é que a direita diz? “Não vêm para aqui, porque são gente inferior”. Isso é a extrema-direita. A esquerda social-democrata diz: “Vêm, sim senhor, porque nós somos muito a favor dos direitos humanos”. Essas não são soluções universais. A solução universal é dizer o seguinte: queremos que os trabalhadores imigrantes sejam como nós, por isso mesmo, nós, que ganhamos mais, vamo-nos quotizar e vamos fazer uma greve para que eles se tornem fixos, connosco, e tenham os mesmos direitos. Um contrato único europeu bem remunerado. É a única forma de impedir a ascensão da extrema-direita.

Num mundo perfeito seria assim, mas não estaremos outra vez a tropeçar na natureza humana?

Mas isso acontece e aconteceu, na história, muitas vezes. Aqui, mais do que natureza humana, eu acho que é fraqueza política. Hoje, os trabalhadores da Volkswagen, na Alemanha, têm capacidade para defender melhor do que ninguém os direitos dos trabalhadores da Volkswagen em Portugal, no Brasil, na Índia… Veja-se a greve dos estivadores. Eles são precários, e os fixos estão a ajudar os precários e a defendê-los, porque têm consciência política e sentido estratégico.

Não haverá, também, uma mudança de esquemas mentais facilitadora dos populismos? Vivemos numa época em que, em espaços de “convivência” como as redes sociais, proliferam opiniões pouco ponderadas, de condenações sumárias e de fake news, como se viu no Brasil.

É mais complexo. Também temos grandes movimentos sociais progressistas, democráticos, a ascender e com grandes reflexos nas redes sociais, como o Podemos, o Jeremy Corbyn ou o Bernie Sanders. Aliás, nos Estados Unidos, só o Sanders está em condições de derrotar o Trump. Quanto ao Brasil, não sei se não é um caso particular. Estamos a falar de mais de metade da população iletrada, oficialmente, e aí a manipulação é mais fácil. O Brasil não tem uma televisão pública que seja de referência, há muito tempo que os jornalistas estão nas mãos de meia dúzia de grupos privados, não há uma estrutura educativa racional… As fake news combatem-se com três coisas: educação, cultura e bom jornalismo. Agora, fala-se do fact checking. É o que os jornalistas bons fizeram a vida inteira, só que fazem antes de publicar a notícia, não é depois. Mas, para isso, é preciso dar trabalho protegido aos jornalistas. O jornalista, se tiver tempo para fazer investigação, consegue dar notícias que são depois um exemplo e que levam as pessoas a evitar as fake news.

O medo propaga-se mais depressa do que a esperança?

Um e outro propagam-se rapidamente. Antes da derrota das primaveras árabes, vimos as pessoas com entusiasmo no mundo inteiro. O Occupy Wall Street, o 15.M, em Espanha… O mundo parecia, a partir das primaveras árabes, ter acreditado que havia uma reação progressista, de massas, à crise de 2008. A verdade é que essa reação ficou isolada. Ao fim de poucos meses, as guerras civis levaram à ascensão de grupos fundamentalistas medievais, na Síria, na Líbia, no Egito… Aí, o medo propagou-se muito rápido, mas, antes, também a esperança se tinha propagado muito depressa. Como isso foi um momento de esperança tão grande para tanta gente! E como nós, agora, ficámos horrorizados com o Bolsonaro. O medo e a esperança propagam-se consoante a realidade. As pessoas têm razão para ter medo. Um homem que se propõe eliminar a oposição!… Ultrapassou-se tudo o que é razoável e aceitável na vida civilizada. Mas a função dos intelectuais não é tornar o medo convincente, mas a esperança possível. Temos obrigação de, em vez de estar sempre a partilhar as coisas horrorosas que o Bolsonaro diz, começarmos a partilhar o que podemos fazer para que os bolsonaros deste mundo não cheguem ao poder.

Até que ponto Portugal está a salvo destes fenómenos? A memória ainda fresca da ditadura joga a nosso favor?

Ao contrário de Espanha, onde houve uma transição e onde foram amnistiados torturadores e ditadores, nós passámos pelo processo contrário. Fizemos justiça aos que morreram e sofreram durante 48 anos de ditadura, e as pessoas que o fizeram estão vivas. Pelo menos por mais uma década, creio, estaremos livres de um processo semelhante. Eternamente livres, não, enquanto não criarmos soluções alternativas. E há o momento tabu em que ninguém quer falar. Toda a gente fala das redes sociais, mas ninguém fala do colete de forças que é a União Europeia, que diz que nós temos de utilizar a maioria dos nossos impostos para pagar juros da dívida pública. Porque nós não podemos ter saúde, educação, bem-estar e trabalho enquanto fizermos isto. Para mim, a primeira leitura que temos de fazer da ascensão dos populismos é que eles representam o falhanço do neoliberalismo. O neoliberalismo passou a usar os impostos – contra os quais se situava, em teoria – para pagar os esquemas financeiros. Isso leva à desagregação da sociedade e é a primeira causa do populismo e da ascensão da extrema direita.

A União Europeia faliu, enquanto projeto político, ou nunca o chegou a ser?

O Estado de bem-estar social foi o projeto mais bem sucedido da Europa do pós-guerra, mas a UE é muito mais tardia do que isso e já não é o Estado social, mas a assistência social. Já é o fim dos serviços públicos universais e cada vez mais o cuidado dos pobres, não o cuidado de todos. A União Europeia vem associada à crise do Estado social e ao aumento da assistência social. Vem associada ao dumping de trabalho, na Europa. Temos um sistema de dumping em que os trabalhadores saem da Lisnave e vão três meses para a Holanda trabalhar, e depois voltam. Um sistema de dumping a funcionar à escala europeia. E a UE é, ainda, um projeto financeiro, assente num fundo de estabilização europeia. A Alemanha, para fazer face à crise da reunificação, emprestou dinheiro a juros baixos, e um dia esse castelo de cartas caiu. Caiu em 2008, e o que a Alemanha disse foi: “Vocês, agora, vão sofrer até à última gota e vão pagar todo o dinheiro que nós emprestámos sem ter condições para emprestar”. Portanto, a UE faliu como projeto de unidade entre os europeus.

É um espaço dividido?

Tem os europeus do Sul contra os do Norte, os pobres contra os ricos, as classes médias permanentemente ameaçadas… Sendo socialista, acho que a questão da pequena propriedade merece muita reflexão, porque temos vários países do mundo onde a ligação das pessoas à sua pequena terra, etc. tem de ser garantida, numa transição de uma sociedade capitalista a socialista. Não é expropriando as pessoas que se resolve essa questão. Quanto às grande empresas, não tenho dúvida nenhuma, devem ser expropriadas sem indemnização. As grandes empresas devem ser públicas. Mas, hoje em dia, a classe média, num sistema capitalista, tem uma arma permanentemente apontada à cabeça, que é: “Eu vou perder o meu emprego, eu vou perder a minha casa”. Tem a sua propriedade permanentemente ameaçada, Inclusive com medidas estatais inacreditáveis, que acabaram por ter curso neste país, sem reação. Aí, eu falhei as minhas análises, porque pensei que ia haver mais reação. As pessoas chegaram a ter 10% do seu salário direto cortado (e 25%  do seu salário indireto) e não reagiram, ou, melhor, reagiram emigrando ou indo para a pré-reforma ou para a reforma.

A eventual desintegração da UE não terá como consequência o advento dos nacionalismos?

É possível que, antes de podermos celebrar uma Europa internacionalista unida, tenhamos de enfrentar a ascensão dos nacionalismos, a partir do colapso do neoliberalismo como projeto. Mas o nacionalismo não é uma alternativa, porque a União Europeia é um projeto competititvo e de dumping que não se combate com mais nação. Combate-se com mais internacionalismo, com mais Europa. Precisamos de uma Europa em que as pessoas ganhem todas o mesmo, não uma Europa em que os portugueses estejam contra os alemães e os suecos contra os ingleses. Os nacionalismos são a receita para a guerra, e nós já tivemos duas, na Europa. Precisamos de uma superação da UE, e superação significa negação, filosoficamente falando, mas não podemos voltar a um mítico passado, que aliás é impossível. Veja-se o Brexit. Eles não conseguem nem ir para a frente nem voltar para trás, porque o verdadeiro projeto de bem-estar inglês é um projeto de rutura com a UE, mas também com o capitalismo. Querem ficar no capitalismo, mantendo o melhor do capitalismo e evitando o pior. Querem lucros gigantescos sem colapso financeiro de bancas, querem liberalismo dos mercados sem entrar em concorrência com a Alemanha. Querem o seu e o seu contrário ao mesmo tempo, e isso é impossível.

Usa muito, e até no título de um livro, a referência à Revolução de 1974-75, em Portugal. Ao não alargar a cronologia até à aprovação da Constituição, em 1976, não estará a referir-se mais a um projeto programático do que a um processo histórico?

Não. A revolução é um processo, e a contra-revolução também o é. E a contra-revolução começa, de facto, no 25 de Novembro. Acho curioso que agora lhe chamem normalização democrática, uma coisa super-ideológica. Até o Sousa Franco, no seu livro, dirigido pelo Mattoso, chama, e bem, contra-revolução. É uma forma de pôr fim à revolução, e o 25 de Novembro vai prender mais de cem oficiais revolucionários e passar compulsivamente à reserva os soldados. O 25 de Novembro acaba com a revolução nos quartéis, com a dualidade de poderes nos quartéis, e isso vai ser determinante para, depois, acabar com a revolução nas outras áreas, nos direitos sociais, na reforma agrária, depois, já nos anos 80, no sistema financeiro, depois, também já nos anos 80, com a unidade do Serviço Nacional de Saúde… A revolução portuguesa começa a acabar a 25 de novembro de 1975.

A Constituição não faz parte do processo?

A Constituição é o pacto social já da contra-revolução. “Vocês não tomaram o poder, e nós negociamos aqui o Estado social”. Não há dualidade de poder. Já não há poder das comissões de trabalhadores, de moradores, de soldados… A Constituição, no seu texto original, é uma espécie de tréguas. Portugal vai para a Europa e vai ser capitalista, mas com um capitalismo regulado. Mas tampouco esse texto original da Constituição vigora, já não vigora, muito menos o real. O real é que mais de 50% da força de trabalho portuguesa é efetivamente precária. Mesmo os que têm contratos fixos ,mas que já estão sob a nova lei aprovada em 2012-2013, podem ser despedidos a qualquer momento, porque o teto das indemnizações passou a 12 meses. A realidade é que vivemos no meio de uma selva laboral, em que o Estado social está sob permanente ameaça.

A minha pergunta, há pouco, prendia-se com o facto de outros setores quererem a revolução, no sentido de anular a ditadura e promover a democratização, sem pretenderem o socialismo.

Há vários projetos revolucionários e há vários projetos contra-revolucionários. Não é só um lado ou outro. O PCP, que eu estudei, não tinha um projeto revolucionário de tomada do poder. Tinha um projeto de capitalismo regulado com direitos sociais. Portugal estava na esfera da NATO, isso tinha sido acordado com a União Soviética, no pós-guerra, em Ialta e Potsdam, e o Cunhal era fiel a isso. Mas, ao mesmo tempo, queria amplos direitos sociais para os trabalhadores. O PS defendia um capitalismo mais a la social-democracia de Willy Brandt, que é um capitalismo com menos intervenção estatal ainda do que o PCP. A extrema-esquerda tinha vários projetos revolucionários, de tomada do poder e derrube do capitalismo, mas eram muito pouco unificados entre eles, tanto que teve pouca capacidade de resposta no 25 de Novembro. Na contra-revolução, o PCP estava contra a revolução no sentido de tomada do poder, como também estava o PS. Aliás, o PS é a principal organização civil do 25 de Novembro. Mas, depois, ainda havia projetos contra-revolucionários, embora completamente minoritários, contra a democracia, e esses também foram derrotados. O projeto que venceu foi o do capitalismo liberal democrático regulado. Mas há sempre mais do que um projeto programático. Mesmo no campo da revolução socialista havia vários. Havia os tipos da auto-gestão, do controlo operário, da revolução mais centrada em Portugal, mais internacionalista…

O PCP foi ultrapassado pela extrema-esquerda?

Claramente. Na minha tese de doutoramento cito um texto do Saramago muito pouco conhecido, porque se fala sistematicamente nas questões dos despedimentos do DN, quando verdadeiramente o Saramago é um dos homens que criticam pela esquerda o PCP, em setembro de 1975, defendendo que o partido devia ter uma posição revolucionária junto dos trabalhadores e não uma posição de conciliação com o Grupo dos Nove. Aliás, até à queda do muro de Berlim, o Cunhal não acha que o 25 de Novembro seja a contra-revolução. Ele considera que é um golpe irresponsável de extrema-esquerda e que esses oficiais foram finalmente afastados do poder, e o PCP sente-se beneficiado com isso, porque pode recuperar o seu acordo com o chamado Grupo dos Nove. Só a partir de 1989 é que Cunhal vai dizer que o 25 de Novembro é um golpe contra-revolucionário do PS. Até lá, ele defende-o como um golpe correto para afastar a sua esquerda. Mas uma parte da esquerda que então o Cunhal quis afastar também estava dentro do PCP e não apenas fora, na extrema-esquerda. Há oficiais revolucionários dentro do PCP que não concordam com a política de cooperação entre o PC e o PS.

O que levou o PC a romper com eles.

A começar pelo Vasco Gonçalves. O PC deixou cair o Vasco Gonçalves, claramente. O PC nunca apoiou o V Governo. E depois deixa cair outros. O PC tem, nitidamente, a opinião de que não se pode tomar o poder, pois Portugal é da esfera da NATO.

Na introdução à sua recente “Breve História da Europa”, aponta a “a proletarização de largas camadas médias” com a viragem para o século XXI. É um retrocesso civilizacional?

É. Faz parte da natureza humana a segurança, a estabilidade. Nós inventámos o trabalho, como género, para evitarmos a insegurança. Não queríamos estar dependentes de pragas agrícolas ou de grandes intempéries, e, por isso, o trabalho é o que nos liberta da incerteza. Mas, agora, tornou-se o foco da incerteza permanente. As pessoas têm medo de trabalhar porque têm medo de ser despedidas, têm medo do assédio moral, estão em permanente competição com o colega do lado. Somos avaliados a ver quem é que consegue destruir o colega do lado e não quem é que consegue construir com o colega do lado. E largas camadas da população – em Portugal é mais de metade da força de trabalho – estão na insegurança que coloca em perigo todos os nossos projetos de vida, de amor, de viver junto, de criatividade, de comprar uma casa… Tudo isso está em causa no mundo ocidental. O pleno emprego é um valor civilizacional. Não significa que as pessoas estão a vida toda no mesmo emprego, mas que têm direito ao emprego. Não podem ficar desempregadas.

Como se garante isso?

Continuamos a ter uma sociedade baseada no lucro e não na riqueza. O lucro é um custo sistemático. Fala-se no custo do salário, mas o salário não é um custo. O trabalhador, quando produz, produz mais do que é suficiente para pagar o seu trabalho. Eu produzo e, ao final de três, quatro, cinco dias paguei o meu próprio salário. A partir daí, estou a produzir para outro. O lucro é um custo para a sociedade. Se eu tiver um médico a trabalhar 12 horas, ele vai operar menos pessoas do que dois médicos a trabalhar seis horas cada um. Só que com o médico de 12 horas eu tenho mais lucro, porque só paguei a um, enquanto com dois a trabalhar seis horas cada um produzi mais riqueza, porque curei mais pessoas. Precisamos de uma gestão pública democrática e de contas abertas. Temos de saber onde é que o dinheiro é gasto e como é que ele é gasto e como as pessoas são tratadas nos seus locais de trabalho. Isso tem de ser um valor primordial. Pagando a dívida pública, não é possível ter emprego decente.

A solução é não pagar?

A dívida pública deve ser suspensa e deve haver uma renegociação. Digo mais: a dívida pública deve ser suspensa, deve-se fazer uma auditoria à dívida, durante esse período, para evitar fuga de capitais, nacionalizar o sistema bancário e financeiro, salvando, até 50, 100 mil euros, os depósitos, e, a partir daí, tem de se alocar todo o investimento público ao bem-estar dos que aqui vivem. Isso vai dar-nos problemas? Vai, mas menos do que continuar a pagar a dívida pública.

O Estado social está tão morto como alguns querem fazer crer?

Não sei se não estará até mais… O Estado social é perfeitamente sustentável. Nós fizemos um livro, e ele nunca foi contestado por ninguém, que é “Quem Paga o Estado Social em Portugal”. Utilizámos o modelo de cálculo dos impostos (quanto é que as pessoas entregam e quanto recebem) e verificámos que as pessoas entregam mais ao Estado do que recebem. O problema é que, efetivamente, o dinheiro não vai para o Estado social. Desde logo vai para a dívida pública, mas também vão 1500 milhões para as parcerias público-privadas, as subcontratações são incontroláveis, agora temos as cativações… O problema é que o Estado social está realmente em crise, mas o Estado social é a base da civilização. Como é que ousamos pensar que podemos viver numa sociedade sem saúde, sem educação? Impossível. Não podemos, de forma civilizada.

Temos um governo de esquerda em Portugal?

Temos, mas não temos um governo que defenda os trabalhadores. Temos um governo de esquerda do ponto de vista da ideologia, digamos, progressista… Aquilo que é essencial nas leis laborais, em Portugal, não se alterou nada, pelo contrário. A divergência do nosso rendimento médio com a UE agravou-se, nos últimos anos, a intensificação do trabalho agravou-se, a falta de investimento em tecnologia, capacidade instalada, agravou-se, e os trabalhadores cada vez trabalham mais, com mais responsabilidades, com mais tarefas, recebendo menos. Nós temos quatro tipos de salário: nominal, real, relativo e social. O salário social é a qualidade dos serviços públicos. Está pior. O salário nominal vai subindo muito pouco, quando sobe. O salário real cai, porque todo o custo de vida está mais alto, não só na habitação mas em tudo. E o salário relativo, então, nem se fala, que é “quanto é que eu trabalho face ao que eu produzo?”: dizem os dados oficiais que toda a produtividade é baseada não em termos mais trabalhadores ou mais investimento, mas em termos menos trabalhadores, ou seja, onde havia dois há agora um, a fazer o trabalho de dois. É um governo de esquerda, mas não é um governo dos trabalhadores.

A dita “geringonça” não funciona assim tão bem?

Não, e eu acho que o cálculo eleitoral do Bloco e do PCP pode ter sido benéfico a curto prazo, para agradar ao seu eleitorado, mas a médio prazo as políticas de direita chegam quando não há políticas de esquerda para os trabalhadores. Então, não vale a pena estar sempre a agitar o papão da direita para apoiar um governo que, de facto, como diz o Perry Anderson, é um governo neoliberal de esquerda. A geringonça é isto.

Há questões em que a vemos ter posições algo dissonantes com o mainstream da sua área ideológica. É o caso, por exemplo, da oposição que tem manifestado ao movimento #metoo. Gostava que explanasse essa sua opinião.

Sou completamente contra o #metoo. Não aceito que em nome da defesa de um bem superior, a igualdade, se promova a destruição do bom nome e o fim da presunção de inocência. Como é que o #metoo nasce? Com o Partido Democrático, nos EUA, dividido entre uma ala esquerda, pró-Bernie Sanders, e uma ala direita, pró-Hillary Clinton. E a ala direita não tem nenhuma divergência com Trump face à economia e à política militar. Portanto, a diferença que tem com Trump é por este ser um misógino, o que é verdade. Portanto, a tal ala direita acentuou toda a sua política aí. E pegou nos jornais que influencia, abrindo-os às denúncias de mulheres. Nas de Hollywood eu não me revejo minimamente. Uma mulher que é alvo de assédio durante 20 anos e tira fotografias na passadeira vermelha com o assediador, e ao final de 20 anos é que vem apresentar queixa, pôs em causa, por falta de coragem, milhares de mulheres que, por questões financeiras, nunca podem denunciar o seu assediador. É o caso de mulheres pobres, dependentes, por exemplo, do dono da fábrica ou do capataz, etc. No #metoo há um problema moral sério. Estas mulheres, de facto, aproveitam-se da questão de igualdade de género para uma atitude que é subir na vida em Hollywood. A segunda questão, imensamente mais grave, é que isto pressupõe que se pode vir para um jornal destruir o nome de um homem, sendo ele inocente ou culpado. E nos Estados Unidos começaram a fazer-se julgamentos sumários. Os homens são denunciados e são despedidos, os seus quadros são retirados, os seus livros não são publicados, os seus filmes… Isto parece-me uma coisa de queima de bruxas medieval, e não podemos aceitar esses métodos. Como disse há pouco, todas as ideologias podem conter em si pequenos monstros. A liberdade é um valor muito bonito, mas que temos de defender a toda a hora, porque a toda a hora está posta em perigo e, às vezes, os monstros estão dentro de nós. A ideia de que, para defender a vítima, podemos abdicar de princípios é perigosíssima.

E acaba por não se atacar o problema?

Até porque o problema da desigualdade de género vai continuar a existir. Vejam-se os operários da Auto-Europa, ou os estivadores, que trabalham 16 horas, nos turnos. É óbvio que é a mulher que vai cuidar dos filhos, ou são eles que, ao final de dois turnos, chegam a casa e vão cuidar dos filhos? Já nem conseguem cuidar de si próprios. Quantas vezes é a própria mulher a dizer ao marido para fazer horas extraordinárias, porque ele ganha mais a fazê-las do que se for a mulher? Obviamente que é a mulher que fica em casa a assumir as tarefas domésticas. O Marx dizia que a religião é o ópio do povo, mas – e a parte seguinte nunca é citada – também é o  reflexo da insegurança humana. Depois da crítica de Deus, temos de fazer a crítica da Terra, e não é por andarmos para aí a espalhar o ateísmo como se fôssemos padres do ateísmo que as pessoas vão deixar de ser religiosas. As pessoas deixam de ser religiosas quando deixarem de ter medo. Para deixarem de ter medo, têm de ter uma vida decente, aqui. Não é no Céu, mas na Terra. Obviamente que não é por andarmos atrás dos homens a gritar “machistas” que vamos resolver  alguma coisa. Temos de resolver os problemas que estão a montante da desigualdade.

Este movimento tem muito a ver com a realidade e mentalidade dos Estados Unidos, não lhe parece?

Acarreta coisas que me parecem de um grande puritanismo – nisso, sim, os norte-americanos são um must – que é: as pessoas já não podem fazer piadas sobre nada, os humoristas não podem fazer piadas, os escritores não podem escrever… A realidade é complexa. Às vezes, dizemos parvoíces, às vezes dizemos coisas machistas, há piropos que são galanteios e outros que são boçais… Vamos proibir toda a gente de falar? Isto é que me parece uma coisa estalinista e macarthista, totalitária. As pessoas, daqui a bocado, não podem livremente falar, porque se tem de estar a contentar uma data de pessoas que têm medo das palavras. Eu não passo a ser machista porque conto uma anedota machista. Até posso ser menos machista se criar à minha volta formas efetivas de igualdade.

Provavelmente, gastam-se energias a mais em questões distantes da resolução dos problemas?

Claro, mas como este governo da geringonça não resolve nenhum dos problemas essenciais, tem os médicos contra eles, têm os professores contra eles, os operários, a função pública, vai-se entretendo com touradas e mitologia…

Parece-lhe um folclore esta polémica das touradas?

Claro que é! O António Costa e o Manuel Alegre já escreveram não sei quantas cartas sobre as touradas. Eu não gosto de touradas, não vou às touradas, penso que isso deve ser discutido envolvendo todos os interessados, mas não é com políticas de ódio, como estes defensores dos animais têm, que se vai resolver o assunto. Depois, tem de se distinguir o que é a tourada da garraiada, das festas populares, há lugares onde só se usa uma corda, outros onde se tira um lenço dos cornos do touro… Isso é diferente de espetar e matar o touro. Envolver tudo no mesmo parece-me uma coisa fundamentalista. Aliás, acho o animalismo uma ideologia perigosíssima.

O animalismo de que fala toca cada vez maiores franjas da sociedade, e vê-se, por vezes uma promoção do bem-estar animal que retira aos animais a sua própria natureza. Concorda?

É proporcional à falta de bem-estar das pessoas. As pessoas são mais infelizes e vivem com mais medo, e depois defendem-se coisas para os animais que são completamente descabidas. Quantas vezes é que estas pessoas defensoras dos animais não os têm presos em apartamentos, capados, a comer rações duvidosas, etc.? Criou-se um fundamentalismo, em torno desta questão, que é reflexo do isolamento e do narcisismo social. Nós precisamos de mais relações humanas, mas as relações humanas são difíceis, porque são entre iguais. Quando estamos em família, o outro tem vontade própria. Um cão, ou um gato, não tem. É um pau-mandado. São relações de poder que temos com os animais. As pessoas têm de aprender a relacionar-se, não é deixar de se relacionar com humanos e passar a relacionar-se com cães. Como diz o Coimbra de Matos num livro que nós fizemos, que se chama “Do medo à esperança”, a seguir à relação com os cães vem com as coisas. Daqui a bocado, a paixão das pessoas é pelas coisas!…

Recentrando na História: que acha dos pedidos de desculpa pelo passado?

Não gosto. A História não é um tribunal. A história é o que foi. Nós temos de investigar, escrever, compreender, analisar. Eu não vou mudar o passado. Por que é que eu tenho de saber história? Porque quero mudar o futuro. O futuro nós mudamos e temos modelos ideológicos claros sobre o futuro. Esses pedidos de desculpa vêm na sequência da invasão das universidades pelos setores pós-modernos, que andam todos a discutir os símbolos, os discursos, em vez de estudar história. Isso é um problema muito sério, porque precisamos de quem mergulhe nos documentos e explique o passado e queira mudar o futuro. Não de quem, para manter os seus lugares privilegiados nas universidades, ande só a estudar as palavras, o discurso, o símbolo, quando o que temos é uma imensa insuficiência de conhecimento do passado. Essa é uma tarefa infinitamente mais importante para os historiadores, hoje.

A expressão “politicamente correto” faz, para si, algum sentido?

Chama-se politicamente correto à censura, e eu sou contra a censura, de tudo e de qualquer coisa. Portugal tem pouca tradição de polémica e tem uma elite muito reduzida, paroquial, que em geral tem dificuldade em viver com o contraditório. Todos os dias construímos debates, nos campos científico e político, entre pessoas que pensam da mesma maneira. Temos dificuldade em confrontar-nos com pessoas que pensam de forma diferente, e é fundamental esse debate ser feito com sinceridade, sem cedências do ponto de vista da verdade, mas com educação. Agora, a censura não. Que é isso, de facto, que esses setores andam a defender. Hoje, 90% do “Gato Fedorento” seria considerado politicamente incorreto e é divertidíssimo. Aliás, acho que o Gato Fedorento, a gozar com o machismo, contribui mais para o fim do machismo do que a proibição de as pessoas falarem. Nem sei como é que aqui chegámos. Mas tem algum mal? Por que é que as pessoas não falam abertamente o que pensam e não brincam e se divertem… Portanto, penso que essa é uma expressão falsa, um eufemismo para quem, de facto, defende a censura porque não quer ser confrontado com opiniões diferentes das suas.

Tomou posição na questão do museu dos Descobrimentos? Que está em causa: um nome? Um projeto?

O que está em causa é que o museu dos Descobrimentos vai envolver muito dinheiro, e há uma disputa em torno do grupo de historiadores que vai assumir esse projeto, muito apetecível. Há uma polémica entre setores mais conservadores, ligados à mitologia da expansão, e os pós-modernos, ligados a esta visão de uma espécie de sofrimento presente, permanente, pelo passado. Acho que o museu dos Descobrimentos pode chamar-se assim ou ter outro nome qualquer. Os historiadores da área devem discutir qual será. Mas o que se deve mesmo discutir é o conteúdo, e o conteúdo tanto é o da escravatura como o do imenso impulso científico. Um museu não é um memorial. Tem de dar a verdade histórica, que combinou momentos de imensa brutalidade com momentos de grandes avanços científicos. O avanço científico não vir agarrado à brutalidade é o que eu desejo para o futuro, mas, no período da expansão, o que aconteceu não foi isso. Mais do que a disputa de lugares, tem de haver aqui uma disputa de nós estudarmos o máximo de história, preenchermos imensas lacunas que estão por estudar e termos um museu onde as pessoas percebam aquela época, as suas misérias e as suas grandezas. Ou alguém tem dúvida de que os escravos iam no porão, numa situação inqualificável? E alguém tem dúvida de que nós tivemos alguns dos melhores matemáticos e que os homens que partiam para o mar partiam por necessidade, mas também por coragem? Isso faz tudo parte da história.

Abdicar dessa complexidade é pôr a história ao serviço da ideologia?

Exatamente! Ao querermos transformar a história numa emoção sobre o passado não estamos a fazer história, estamos a fazer ideologia. E isso tudo, como disse e reitero, tem a ver com o interesse de determinados grupos universitários nesse projeto futuro, que tem muito dinheiro público.

 

“Em Portugal

não se debate francamente”

 

 Fale-nos de si. Como é que a história aparece na sua vida?

Nós nunca somos bons juízes em causa própria. Eu sempre adorei história, e o meu pai, embora sendo engenheiro florestal, tinha todos os livros de história em casa. A minha mãe e o meu pai sempre me tentaram explicar tudo na sua dimensão histórica. Isto está aqui, mas dantes estava ali. A minha mãe teve um papel muito grande na minha escolha como cientista, embora só me tenha apercebido mais tarde, porque ela é cientista, ela é de genética florestal, e desde pequena ela levava-me com ela para as conferências. Então, passei a minha adolescência a visitar as cidades da Europa nas conferências, com ela, e acho que esse ambiente me influenciou. Por outro lado, a minha mãe é uma mulher de uma curiosidade extrema. Está sempre a perguntar porquê. E nunca nos deixou de explicar porquê e sempre nos levou a perguntar porquê. A verdade é que também tive uma professora, no ensino secundário – que, aliás, apresentou o livro, nós fartámo-nos de chorar abraçadas – , que era uma mulher de uma imensa sabedoria, um dos grandes professores que este país teve, Ana Paula Torres, e eu adorava as aulas. Depois, entrei para História, mas o meu pai queria que eu fosse para Direito. Então fiquei um ano a viajar e, depois, entrei para Direito em Coimbra e detestei. Detestei. É o termo exato. No terceiro ano, ganhei coragem, disse aos meus pais que não iria mais para a Faculdade de Direito e fui para a Alemanha trabalhar como empregada de mesa, porque eles também disseram que se eu mudasse de curso deixariam de me dar dinheiro. Passado quase um ano, voltei e entrei para o curso de História. Tive as melhores notas do ano, e eles voltaram a financiar-me os estudos, com a promessa de que eu teria as melhores notas. E tive: terminei o curso com as melhores notas da faculdade, na área, o que me permitiu ir diretamente para doutoramento quando terminei a licenciatura.

Fez a licenciatura onde?

No ISCTE, e o doutoramento no ISCTE, com co-orientação da Universidade Autónoma de Madrid, e depois fiz o pós-doutoramento no Instituto de Amesterdão, de História social, e aí já foi abrir o caminho para a História social.

Seria absurdo perguntar-lhe onde é que estava no 25 de Abril, porque não estava, mas o 25 de Abril está claramente em si. Que relação é essa?

O meu marido é professor de Teoria Crítica e diz que é aquilo que mais define a minha personalidade. Não sei se é verdade, por isso é que o citei a ele. Acho que sim, que o 25 de Abril me ensinou a gostar das pessoas, da humanidade. Eu tive a sorte de ter optado por estudar um período em que as pessoas foram muito grandes, muito bonitas, foram maiores do que si próprias. Talvez muitas destas pessoas tivesse sido imensamente cobardes, até ao dia 24 de abril, mas no dia 25 e nos dias seguintes foram muito corajosas. Então, as pessoas tiveram atitudes de uma imensa generosidade, coragem. Elas, quando mudaram o país e o mundo, mudaram-se a si próprias. E isso apaixonou-me. Compreendi aí que as pessoas contêm em si a miséria e a grandeza, e que eu queria estudar os períodos de grandeza, e os seus períodos de grandeza são as revoluções.

Longe vai o tempo em que escreveu pequenas biografias de D. Pedro IV e Fernão de Magalhães. Andava então a apalpar terreno historiográfico?

Foram os meus primeiros livrinhos! Ainda escrevi esses livros no fim do curso. Estava mesmo a terminar o curso e já estava centrada no período da História contemporânea, e da História social, A partir do momento em que entrei para o doutoramento, percebi que queria fazer História social, História contemporânea, História do trabalho e História da Europa, mas tudo contemporânea, é a área em que eu me especializei e pela qual sou apaixonada.

Não liga, nem como lazer, a outras cronologias?

Não. De lazer, eu ligo muito ao romance. Leio muita literatura, mas a História que me ocupa é a História contemporânea, ou seja, o pós-Revolução Francesa.

Solicitações frequentes dos media e a sua presença assídua em debates televisivos fazem de si uma espécie de pop-star da historiografia?

Não sei!… Eu fico muito feliz, digo-lhe isto assim do fundo do coração: às vezes, vou na rua e as pessoas mais simples – noutro dia, um senhor que é bombeiro, estivadores, operários, pessoas reformadas – vêm ter comigo, com o meu livro na mão, e a conversar porque o leram. Eu já fiz estes últimos livros, os não académicos, claramente para que pudessem ser lidos por toda a gente. Não simplificando a história, mas garantindo que a história era acessível a toda a gente. Daí a minha aposta na divulgação da história. A “Breve História da Europa” e a “História do Povo na Revolução Portuguesa” já foram escritas a pensar: eu quero que pessoas que não são historiadores leiam este livro, gostem e compreendam.

Essa criação de laços com o público, num sentido vasto, pode ser importante para uma efetiva democratização (ou massificação) da historiografia. Concorda?

Concordo inteiramente e acho que é uma obrigação nossa, porque a sociedade investiu muito em nós, para estudarmos, e temos obrigação de devolver isso. Adoro quando as pessoas me ensinam coisas muito difíceis para eu compreender. Por exemplo, eu não sei nada de neurologia, mas estou a ler os livros do Oliver Sacks e sinto que ele me apresentou um mundo que, para mim, é muito difícil, porque eu não sou neurologista. Então, eu acho que a divulgação científica é um compromisso, uma devolução democrática do que nos dão quando investem em nós para estudarmos e investigarmos.

Portugal tardava muito em apanhar esse barco, pelo menos no campo da historiografia. Se formos a França, por exemplo, vemos que um dos medievalistas mais importantes da sua geração, Georges Duby, era também um caso ímpar de popularidade, pois era em simultâneo um grande divulgador, em livros ou na televisão. Ainda há resistências no meio académico português?

Não lhe sei dizer. Eu acho que a divulgação científica é uma arte difícil, porque, por exemplo, o tempo que eu levo a investigar, às vezes, não é maior do que o tempo que eu levo a pensar como é que eu vou tornar aquilo acessível. Os artigos científicos têm uma escrita em que nós estamos muito mais submersos, facilmente. Portanto, a divulgação obriga-nos a um trabalho extra, mas eu acho que esse trabalho extra é obrigatório. E Portugal é mais atrasado, desse ponto de vista. Eu agora vou  começar um programa no CCB em que vou entrevistar outros historiadores, sobre história. Vai chamar-se “Conversas com história” e o objetivo é justamente esse: democratizar a história a a historiografia. Do ponto de vista da televisão, nós podíamos fazer muito mais.

Tarda-se a dar o passo seguinte, embora algumas coisas já tenham sido feitas na televisão, por exemplo por Fernando Rosas.

Exatamente. Ainda por cima, se for bem feito, as pessoas adoram, porque as pessoas gostam muito de história. As pessoas conversam comigo todos os dias, na rua, sobre questões de história. Há uma curiosidade muito grande de perceber que nós nem sempre fomos assim. Inerente à história está a ideia da transformação. A ideia de que podemos mudar é maravilhosa.

Há tempos, a propósito de uma pequena polémica, escreveu que o seu mais recente trabalho é “lido, pela sua escrita de divulgação científica, por académicos e operários, especialistas e leigos”. Preocupa-se em criar um estilo próprio ou teme transformar a história num género literário?

Não temo. Quanto melhor eu conseguir escrever a história, quanto mais recursos eu conseguir utilizar para se tornar agradável de ler, mais isso dignifica a história. O que nós devíamos era ter mais tempo para escrever ainda melhor, de forma mais agradável, mais musical.

Isso do género literário tem a ver com uma certa tradição anglo saxónica…

Claro, que é maravilhosa. Os historiadores anglo-saxónicos são absolutamente exemplares, desse ponto de vista.

Há dias, numa entrevista, Vasco Pulido Valente, não a criticando de facto, referiu-se a si, profissionalmente, em termos bastante duros. Consegue lidar bem com essas situações?

Consigo, mas gosto muito mais, por exemplo, do ambiente científico da Holanda. O meu orientador de pós-doutoramento, que agora é meu amigo e colega (trabalhamos juntos num projeto que eu coordeno de história dos operários navais), há pouco tempo, entregou-me um texto e disse: “Lê. Este tipo deu cabo de mim”. “Cabo de mim”, no sentido dos argumentos. É a tradição anglo-saxónica de debate franco, Mas em Portugal não se debate francamente. Ofende-se. Como se foge do debate franco de ideias, fazem-se ataques ad hominem, ataques pessoais, e eu creio que isso é fruto do nosso atraso, de que também faz parte o subdesenvolvimento científico.

Uma outra polémica em que se viu envolvida, não com um historiador mas com um jornalista, aquando da publicação do seu livro sobre o PCP, remete para outra questão. A de os setores ideológicos terem, chamemos-lhes assim, os seus “historiadores de bandeira”, com os quais (ou contra os quais) acenam. Suponho que a direita lhe acene, por exemplo, com Rui Ramos. É assim?

O Rui Ramos é um dos poucos historiadores de direita que há em Portugal, e eu fiz um grande capítulo a questionar, com argumentos, penso eu que bastante sólidos, a visão dele sobre o 25 de Abril, no livro dele da História de Portugal. Obviamente que esse setor todo à volta dele não gostou muito e reagiu dessa forma. Sim, há essa tendência. Acima de tudo, há uma tendência nas pessoas, que eu não sei de onde é que vem, virá da sua fragilidade, para ter medo do contraditório. As vezes, até pessoas de esquerda me perguntam: então aceitaste falar para uma câmara do CDS, ou para a Maçonaria, ou uma associação de empresários, ou o PS… E eu digo que aceito falar para qualquer pessoa que me convide, tirando fascistas. Com fascistas não existe diálogo, porque pressupõe a eliminação do outro. Eu não concordo nada com a visão do Rui Ramos e estou disposta a sentar-me em frente a ele e a dizer-lhe porquê. Isso, em Portugal, teme-se, porque os intelectuais são poucos, são frágeis, estão muito dependentes das universidades, as universidades têm um esquema de grande precariedade, os jornais são poucos… É uma orientação fundamental na minha vida, inclusive na minha vida pessoal: eu sou de conversas muito francas. Ter medo das conversas não nos diminui os problemas, aumenta-os.

Como faz para separar as suas posições, como cidadã interventiva, do que é o seu trabalho enquanto historiadora?

Eu escolho assuntos pelos quais estou apaixonada, pois só assim sei trabalhar bem, mas não escolho assuntos aos quais tenha resistências emocionais, digamos assim. Há assuntos pelos quais eu não tenho simpatia, portanto evito-os, porque o meu desgosto poderia influenciar a qualidade do trabalho. Acho que consigo distinguir o trigo do joio, e a paixão é fundamental para eu fazer um bom trabalho. Os nossos ressentimentos não são bons guias de trabalho.

Cito-a: “Sempre à procura (…) dos iludidos, trabalhadores, revoluções, dirigentes revolucionários e sindicais”. É isso?

É. Eu procuro os assuntos pelos quais tenha paixão, admiração. Isso não significa cegueira. Por exemplo, eu não tenho nenhum tipo de obreirismo. Acho que os trabalhadores são frequentemente ignorantes, agem contra os seus interesses e tomam decisões erradas. E, aliás, só trabalho com os sindicatos com os quais tenho carta branca para dizê-lo. Faço assessoria e trabalho com vários sindicatos e ordens profissionais, mas na base da total franqueza. Eu posso estar errada, e estou disposta a ser convencida de que estou errada. O que eu não posso é ser proibida de dizer o que eu vou dizer, e, inclusive, isso serve ainda mais para aqueles que estão próximos de mim.

Considera-se também uma iludida, ou uma sonhadora?

Ai, sonhadora eu sou. A nossa relação com a história é como o amor. É uma aposta estratégica. A nossa relação com o futuro é uma aposta estratégica. Nós, quando nos casamos, é para toda a vida, e temos de estar realmente convencidos de que aquela pessoa é a melhor, a que nos faz mais felizes, é um amor de perdição. E o futuro também tem de ser de perdição, no sentido de paixão. Aí, sim, é uma questão de fé, ao contrário do passado. A nossa relação com o futuro é uma relação emotiva. Eu não sei, de facto, se vai haver, no meu tempo de vida, uma revolução socialista, não sei se a haver uma revolução socialista ela vai ser capaz de fazer uma transição em que se assegure efetivamente a liberdade e a igualdade. Sei que o vou defender, nunca vou ceder um milímetro na questão da liberdade e da igualdade, as duas juntas. Não aceito o que se passou na União Soviética, do ponto de vista da restrição das liberdades, mas isso tem um lado de emoção, fé, crença. É uma aposta, digamos assim. É uma possibilidade. Não é uma certeza. Mas sem essa possibilidade como é que nós vivemos? Como é que nós vivemos pensando que isto vai dar mal? Como vivemos sem paixão e entusiasmo?

A história é a sua ferramenta para mudar o mundo?

Sem qualquer dúvida. A minha compreensão do passado é absolutamente essencial para eu transformar o presente.

Quais são as suas grandes referências historiográficas? As pisadas que segue?

É difícil. A maioria dos autores que tiveram influência no meu trabalho, da revolução portuguesa, são estrangeiros, e eu não quero estar a dizer uns e a deixar outros de lado. Falaria mais em correntes. Eu tenho muita simpatia pela escola dos “Annales”, pela sua capacidade de olhar a totalidade da sociedade. Sou marxista, e é preciso esclarecê-lo, pelo que o marxismo tem de antidogmático, inovador, e por compreender a essência dos problemas e a essência transformadora e dinâmica das questões. Exatamente o contrário do dogmatismo e da doutrina. É a capacidade de compreender o movimento contraditório da realidade, e tenho muita inspiração na História Global do Trabalho, que partiu do Instituto de Amesterdão:  percebermo-nos, nós, inseridos no quadro do sistema-mundo.

A história pode ser feita com protagonistas, ou não há melhor protagonista do que o coletivo?

É sempre uma combinação entre lideranças e coletivo. Não se pense que os dirigentes não têm um papel determinante na história, porque têm. Generais sem tropas não fazem exércitos, mas exércitos sem generais não vão a lado nenhum.

2 thoughts on “Grande Entrevista, Revista História JN

  1. Dra Varela, voce e extraordinarily. O seu pensamento e a sua conversation e intoxicante ( no bom sentido ), precisava-mos de mais pessoas como voce a fazer educacao das massas. Devo dizer-lhe que tomei parte no 25 de Abril e aquilo que voce diz sobre O comportamento das pessoas nesses Dias ( forma grandes, generosas e Cheias de amor e esperanca ) e foi
    Lindo). Obrigado pelo seu pensamento e por aquilo que escreve.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s