O pastel de nata e o caos nas urgências

Ofereci um «pastel de nata» ao Ministro, que proíbe o pastel de nata (costumes e decisões individuais, mesmo que erradas) mas não os salários baixos que não permitem uma alimentação de qualidade (problema estrutural social).
O mote para uma nota curta sobre o caos nas urgências. A partir de um certo número de cortes há factores quantitativos e biológicos intransponíveis, isto é, não temos condições de trabalho dos profissionais de saúde que garantam uma prestação universal e cuidados com qualidade depois dos cortes e das alterações das medidas de gestão pós-troika.
É urgente reverter a gestão empresarial dos hospitais públicos e os hospitais SA/EPE e regressar a um modelo de exclusividade com bons salários no serviço público. Portugal não tem, além disso, escala (mesmo com a ADSE) para ter serviços privados de qualidade, formação e desenvolvimento científico.
A propósito deixo um desafio aos media, porque não reportagens sobre os tempos de espera na CUF, Lusíadas e erros médicos nos hospitais privados? Há por acaso menos erros no privado e menos graves? Deixo a questão no ar, apenas como desafio.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s