(Des)protecção Civil

A minha confiança nas estruturas de protecção civil era tímida, por inércia e falta de alternativa, agora é zero. A crítica e a acção consequente com a crítica é como sabem um sinal de saúde mental, como gosta de referir o psicanalista Coimbra de Matos, ele aliás chama-lhe «revolta», ele não esteve entre os psicólogos ouvidos esta semana nos media que aconselharam paz e resignação, unidade nacional ouvi de um deles, que saltou assim da psicologia de bolso para a defesa do status quo do regime de uma penada, em directo. Não confiem, foi o que disseram quase todos os técnicos florestais, biólogos, paisagistas, sem rodeios: isto não aconteceu antes por sorte e pode voltar a acontecer em 2/3 do território nacional.
Como investigadora não de silvicultura mas do Estado Social quero deixar aqui um alerta que como todos vai cair num poço sem fundo – vai piorar, não confiem. O modelo de Estado e relações laborais degradou-se muito nos últimos anos: os cortes e a progressão na carreira afunilada aumentaram a progressão por compadrio; o partido-emprego é dominante, as vozes críticas são alvo de assédio moral, as funções sociais do Estado (incluindo as de protecção civil) estão sub contratualizadas a empresas privadas ou semi-privadas que sobrevivem dos problemas e não das soluções; o SNS está erodido por dentro com a reforma de um saber que saiu com os mais velhos; a gestão hierarquizada é autista, as decisões estão cada vez mais longe de quem sabe tecnicamente; os melhores profissionais reformaram-se (vejam que grande parte dos silvicultores que escrevem já não estão no activo) sem contratações de substituição e carreiras aliciantes; a fuga de cérebros é massiva; as universidades têm cursos cada vez mais curtos; os salários são desmotivadores, há muita gente capaz para trabalhar no país mas a estrutura está em decadência profunda…O que estou a dizer em palavras é mais ou menos o mesmo que os políticos disseram estes dias «quando sentirem um fogo a vários kms de distância numa zona de pinhal ou eucalipto com montes e vales fujam, não sabemos fazer mais». Só que os dirigentes pediram para confiarem neles, mesmo assim. E eu estou a dizer o contrário, não há razões para confiar, o país está em decadência acelerada nos seus serviços porque os seus profissionais, que é o que faz um país, estão a trabalhar em condições cada vez piores. Podia colocar um sinal de luto, silêncio e dar-vos abraços, mas abraços é coisa que não falta ao país. Pertenço ao grupo de pessoas que acha que tudo o que aconteceu era previsível. Se acham duro o que escrevi estes dias é porque não sabem o que pensei quando vi aquele homem dizer que mandou as filhas para a morte quando lhes pediu para fugirem e elas morreram carbonizadas e ele está vivo, morto-vivo, a mãe que gritava no tanque com a filha a arder dentro de casa, a mulher que foi desviada para a estrada a arder. O que penso de quem governou estes 40 anos hoje é impublicável. E não, o problema não é do povo que temos, essa é a única parte boa e bonita da história, como se vê pela reacção massiva solidária que nasceu de imediato porque os que se salvaram contam como foram salvos por outros: a senhora que abriu a casa; a que trouxe os vizinhos para o tanque, a que abriu o carro a arder para entrar mais um, o que voltou atrás para buscar mais outro. Os médicos, bombeiros, enfermeiros (e não as suas estruturas dirigentes), imagino exaustos. É com eles que deixo as minhas palavras de ternura e profunda admiração, repousou na sua força, improvisada no caso dos civis, dedicada nos profissionais, o que se salvou desta tragédia, com eles aprendemos que apesar de tudo Portugal vale a pena.

Advertisements

One thought on “(Des)protecção Civil

  1. A Raquel Varela, e uma mulher, que ainda coragem de dizer o que vê, e o que pensa. Muitos de nós, estamos a ser, constantemente “agredidos”, por gente que nunca se preocupou com o país, e só tem olhado pelo seus interesses políticos e económicos dos seus familiar e amigo… E não digo mais nada, porque já sei, que vou ser multado, ou então preso, como esta assuceder em Portugal…

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s