Irmãos

Hoje é dia dos irmãos. O meu é especial. Chama-se José Gregório, em homenagem ao homem que liderou a última revolta operária contra Salazar, a revolução dos vidreiros da Marinha Grande. O seu feito mais fácil foi ser um dos primeiros surfistas mundiais a entrar na onda gigante da Nazaré, embora nos media só refiram os estrangeiros – o parolo encantamento com o que vem de fora. Há ele e penso que há outros portugueses. Esta semana foram também campeões de surf os portugueses, mas o futebol esmaga as outras modalidades na imprensa. A grande barreira da vida dele não foram porém os 30 metros da Nazaré, mas provar que podia tornar-se surfista profissional, o que era incompatível com boas notas na escola, uma escola que insistia em dar resposta padronizada a pessoas, excepcionais, que não se encaixam no modelo de ensino standard que temos. Ele enfrentou-nos a todos – a mim também que, à competição natural dos irmãos, juntava o meu trunfo de boa aluna – e disse que custasse o que custasse ia fazer o que o apaixonava. Trabalhou em tudo, uma dedicação incansável ao trabalho, manual, de todos os tipos, para conquistar o direito a ser surfista. De jardineiro a pedreiro, marceneiro, pescador, ele é hoje director geral da Quicksilver Portugal, não há nada que ele não faça, com saber e dedicação. Fala línguas perfeitamente, domina matemática, esta com dedicação dos meus pais, enfim, é um exemplo de como a escola, que o chateou durante anos, pode errar dramaticamente no alvo e nos métodos. Provou a todos nós que não precisava de ir para a Universidade para ser o que era – inteligente, organizado, ousado, disciplinado, foi surfista profissional num país onde o surf começava apenas a ficar conhecido, nesse caminho foi 3 vezes campeão nacional. Contínua a surfar, determinado. Não é exemplo para ninguém porque é excepcional, e uma sociedade decente deve ser para todos e não para os que nasceram com uma determinação e talentos excepcionais. Mas é exemplo para nós, família, porque é fora da curva, a curva da onda que a natureza ia despejar sobre ele e ele, com força, segura.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s