O Falhanço do “Empreendedorismo”

A ideologia do empreendedorismo esconde uma multidão de trabalhadores convencidos ou coagidos a tornarem-se «empresários» ou «donos dos seus próprios negócios» (…) uma start-up criada em 2006 tinha uma probabilidade de cerca de 3% de sobreviver ao quinto aniversário. (A esmagadora maioria termina a sua aventura empresarial cheio de dívidas, tendo gasto as suas poupanças ou da família e sem emprego; muitos com dívidas à Banca que entretanto comeu os juros do empréstimo da “ideia inovadora”; na TV passam os bem sucedidos 3%…). Talvez fosse mais fácil ao camelo da Bíblia passar no buraco da agulha…
A recuperação do espírito de pleno emprego é uma emergência histórica, uma das certezas inabaláveis do nosso destino comum civilizado. O pleno emprego é a única forma de evitar o rebaixamento salarial aplicado a toda a sociedade e a única garantia de sustentabilidade do Estado social e da Segurança Social. É uma exigência civilizacional mínima, é a proteção de filhos e pais, que estava nos programas e nas campanhas públicas dos partidos social-democratas na década de 70 e hoje, com cinco vezes mais desempregados, foi abandonada. Sindicatos e partidos da esquerda metem-no num cantinho dos seus programas, com letras pequenas.

Excerto do meu livro Para Onde vai Portugal? (Bertrand, 2015)

Advertisements

10 thoughts on “O Falhanço do “Empreendedorismo”

  1. Eu não conheço ninguém que tenha enriquecido a trabalhar. Ainda no início do mês o insuspeito WSJ perguntava aos leitores qual a ideia que tinham do segredo para a riqueza de Donald Trump, e, generosamente respondia. Não é mais esperto, não é mais trabalhador, não recebeu mais heranças, não é mais empreendedor que vocês. O segredo da fortuna de Donald Trump é apenas e tão só porque o Donald vive à custa do nosso dinheiro. Isto inclui, entre outros esquemas, o mais recorrente na sua bonita carreira de capitalista desenfreado: declarações múltiplas de falência. Cuja consequência é sempre imputar as perdas aos credores e lesá-los. O jornalista, para terminar, ainda dava uma dica aos estudantes universitários. Esqueçam ter de trabalhar nas férias para pagar o curso. Arranjem um cartão de crédito e gastem à força toda. Depois, façam como o Donald, declarem-se insolventes. Nos States estas dívidas do cartão são automaticamente anuladas com a falência. Um abraço Doutora António

  2. Em miúdo ouvia os mais velhos contarem o “conto do vigário” que geralmente consistia no golpe do malandro tentar vender um elétrico da Carris ou a estátua do D.José a desprevenidos e ingénuos provincianos chegados à capital.
    No século XXI a coisa é mais sofisticada. Depois dos esquemas em pirâmide e das promessas do reino dos céus, já aqui na terra, ei-lo que chega: O EMPREENDEDORISMO! A receita “sagrada” para os desempregados vencerem a crise. Quem ganha? Os super-patrões, demagogos, políticos mentirosos, a banca privada (a emprestar dinheiro com juros pornográficos). Para a maioria das cobaias a falência e a miséria.

  3. Raquel Varela, até para se ser empreendedor é necessário…ter cabeça. Os empreendedores que refere, pouco sabiam do negócio que iniciavam (pensavam que sim) e a grande maioria ao ver-se com dinheiro da UE a fundo perdido ( porque será que a Raquel não refere as coisas como elas são? humm…), pois a grande maioria em vez de perceber que tinha de procurar os negócios em vez de estar à espera que os negócios os encontrassem…foi gastando o dinheiro nuns carritos (alguns para a empresa…e já agora que sou patrão, um para mim dos bons) e já agora um créditozinho (baseado na expectativa de lucro ainda não realizado, mas esperado com fé mais do que com trabalho) para comprar..a casita (o sonho de qualquer portugues que chega a patrão). este tipo de “empreendedores” que proliferaram logo que os fundos comunitários começaram a entrar no nosso país, criavam emprego de recibo verde (claro! A Raquel nunca ouviu dizer que “nunca sirvas a quem serviu”?), assim aumentaram sobre uma base empresarial inflacionada, o mau emprego e distorção das estatísticas da contribuição fiscal (com recibos verdes, a ganhar 500 euros com alguma sorte, sem receber quando estava doente e sem subsidio de desemprego se a coisa desse para o torto… como raio podia o trabalhador pagar a segurança social a começar em 150 euros de base?). Pois Raquel Varela:) maus empreendedores são tão lesivos como maus políticos (creio que ainda são piores). Reveja a matéria, please (mas não só a do “bloco” que lhe interessa) 😉 a menos que se esteja a referir ao pleno emprego que se negoceia convidando uma grande multinacional a instalar-se no país…porque essas só vêm se a mão de obra for mais barata ou se lhes dermos beneficios fiscais, não é? A resposta mais adequada está nas pequenas e médias empresas…mas com gente de juízo e empreendedora a sério (sem ser dos que estão sempre à espera de subsidios, esses deram o resultado que refere) ;).

    • Penso que a análise neste comentário foge ao cerne da questão exposta pela autora. O empreendedorismo descrito retrata o modelo dos anos 80 e 90, da época das “vacas gordas”, mais do que o modelo atual em que o empreendedorismo diz sobretudo respeito a micro-negócios, extremamente vulneráveis ao corporativismo e em que cujos empreendedores raras vezes vivem só daquilo em que empreendem. É errado que as pessoas sejam “empurradas” (o verdadeiro termo para “incentivadas”) a tornarem-se empreendedores a bem da redução da taxa de desemprego e desresponsabilização de um estado que se diz social. Concordo que nem todos foram feitos para serem o seu próprio patrão, criarem negócios ou postos de trabalho, mas esta oportunidade não pode ser oferecida a qualquer um sem que quem a oferece seja responsabilizado, no mínimo, por fazer devidamente essa mesma avaliação.

  4. Raquel, é suposto que a maioria dos negócios falhe; portanto o seu título «O Falhanço do “Empreendedorismo”» é apenas a descrição de como o universo funciona.
    A maioria falha? Sim, é suposto. Então, qual é a novidade?… O contrário é que seria novidade!
    É por causa da possibilidade de falhar, que há risco!
    Se não existisse tal possibilidade, o risco empresarial não existiria!
    E não é preciso ser-se pequeno para falhar: Richard Branson lançou negócios que falharam.
    Mas, curiosamente, ele começou com um micronegócio ainda adolescente!
    Logo, é possível!
    Desde que seja o negócio certo, na hora certa, no local certo, com as pessoas certas.
    A inferência, das suas objecões, é curiosíssima:
    só o peixe graúdo deve poder investir;
    quanto aos pelintras, devem resignar-se a trabalhar para aquele, pois não têm hipótese!
    «E esta hein?!»

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s