Dêem-me uma guerra e faço crescer o PIB

Há um grupo actual não tão minoritário de proletários – os que só têm a sua força de trabalho para vender, 90% da população portuguesa porque não têm outras formas de sustento, rendas, juros ou lucro – que nem assalariado em más condições é. Foi antes expulso da produção, sem bilhete de retorno. Colocados ora no assistencialismo, ou sobrevivência limite com baixas reformas, ou a vegetar de forma desumana sem conseguir sair de casa, ou mesmo na mendicidade. Caso dos operários muito pouco qualificados – construção civil. Caso também dos trabalhadores com mais de 45 anos com menos do 6º ano de escolaridade – o grande movimento de saída do mercado de trabalho tem sido este, saída dos menos qualificados que tinham direitos para que entrem no seu lugar licenciados precários. E ainda um sector, por quantificar, de licenciados que entra com pouca regularidade no mercado de trabalho e vai perdendo qualificações, porque se desmoraliza, ou vai perdendo capacidade produtiva – conhecimento – face aos que lá se mantêm mais tempo. Caso também ainda de pequenos produtores ou donos de empresas familiares arruinadas. São todos eles excluídos. Que dizer de um governo de um país que opta por uma economia que assim exclui milhares de pessoas do direito à sobrevivência, e que no fim apresenta-se como estando a “sair da crise” porque o PIB teria crescido? Dêem-me uma guerra e faço crescer o PIB, disse alguém por aí um dia.

Advertisements

2 thoughts on “Dêem-me uma guerra e faço crescer o PIB

  1. Todos, ou quase todos, aproveitam o facto dessas pessoas já não terem voz, fingem que eles não existem, o governo que os jurou proteger utiliza-os para algo que os transcende. Explicam a atrocidade como um mal necessário, a ilegitimidade desta governação é por demais evidente, a não afronta a este “estado de coisas” é já ultrajante, tantos discursos, tantas justificações, tantas interpretações quando em ultima análise o que está em causa é compreender o que é incompreensível.

  2. Formidável…a simplicidade de uma frase, descreve a triste realidade de milhões. Um dia o PIB será medido pela felicidade daqueles que caracterizam a sua existência.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s