A Produtividade, ora aí está

Em média a produtividade do trabalho cai quando os salários caem. Pode haver um momento curto em que os trabalhadores assumem as mesmas funções com a mesma qualidade mas se não vêem perspectivas de melhoria salarial, progressão na carreira, incentivos de mobilidade social tendem a desmoralizar-se, e isso é visível no aumento de doenças mentais, desgaste físico, esgotamentos e, finalmente, mede-se, como uma régua, na produtividade do trabalho. Os escravos não eram produtivos, na verdade um escravo lutava por trabalhar o menos possível porque assim atrasava a sua morte – não tirando qualquer mérito às revoltas de escravos, a mais bela e bem sucedida de todas foi naquilo que é hoje o Haiti, foi a burguesia ilustradíssima inglesa que fomentou o fim da escravatura, porque precisava de trabalhadores livres, assalariados, entre outras razões, porque livres a troco de um salário eram mais produtivos do que os escravos. Também porque menos custosos – em Queimada, um filme magnífico de Gillo Pontecorvo Marlo Brando é o inglês que tenta convencer os portugueses terratenentes que ter uma prostituta é mais barato que ter uma mulher, a quem tem que se vestir, alimentar, dar casa…explica ele. O inglês usava assim da metáfora sexual para explicar aos portugueses que o trabalho livre era mais produtivo, também porque menos custoso.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s