A persistência do conflito industrial organizado: greves em Portugal entre 1960 e 2008

Publicado na revista Mundos do Trabalho, acesso livre aqui.

A persistência do conflito industrial organizado: greves em Portugal entre 1960 e 2008 Raquel Varela *Resumo: Neste artigo, inserido num projecto mundial de estudo das greves, procurámos fazer um levantamento, até aqui inexistente, das greves em Portugal entre 1960 e 2007, historicizá-las, analisá-las e compreendê-las, buscando contribuir para explicar historicamente, por um lado, a permanência da greve como forma de luta ao longo destes últimos 40 anos, e por outro, tentar explicar os picos grevistas, a partir de uma análise que conjuga simultaneamente factores políticos e crises económicas, no quadro daquilo que se considera ser uma mudança estrutural nas formas de organização e de luta das classes trabalhadoras portuguesas, bem como na cultura operária, a partir da industrialização da década de 60 do século XX.Salientámos as diferenças que existem nas greves sobre distintos regimes políticos (Estado Novo, Período Revolucionário, Regime Democrático).

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s